Valério Mesquita

20/04/2019
 
A CONSERVAÇÃO COMO NECESSIDADE PERMANENTE
 
 
O exercício perene da conservação deve ser revelada em todos os seguimentos da atividade humana. Seja pública ou privada. Como navegar – conservar é preciso. A conservação dos bens administrativos, culturais, patrimoniais, econômicos, morais, de uma sociedade dignifica a própria condição de humanidade. Os ativismos do processo da atual gestão pública de muitos prefeitos e governadores, tem induzido manter a estrutura urbana e suburbana das cidades em completo descaso e predação incessantes. É raro o gestor público que recupera obra herdada do seu antecessor. O prejuízo é contundente para a família e a comunidade. Seria inveja mórbida? Monocratismo perverso, porque não está ali refletido o seu ego?
 
O ser humano está em constante evolução como tudo no planeta e no universo. Mas, o que existe de bom e de bem, em favor da sociedade, e ainda de belo, de amor à vida, não pode ser desdenhado. Tapar buracos em ruas e estradas; conservar as escolas e os hospitais, deixando-os aptos a prestar os seus serviços; conservar as ruas limpas, iluminadas, abastecidas com água e gás; conservar, restaurando o patrimônio histórico da cidadania popular dos seus casarões; conservar a conquista da ética, dos direitos individuais, lembrando o passado com gratidão, alegrando-se com o presente e encarando o futuro sem medo; conservar as crenças principalmente aquelas nascidas do Novo Testamento; conservar a natureza, as praças e os jardins que os outros construíram é sempre preferível essa conduta do que o mito administrativo de ser único.
 
Não sou conservador, nem tradicionalista. A conservação que me refiro não é hostil às inovações políticas ou sociais. Mas àquelas que propugnam resguardar de danos, decadência, deterioração, prejuízo, etc., os prédios do domínio da união, estado e municípios constituídos de edificações tombadas pelo patrimônio histórico ou não. Observe o caro leitor, a situação das repartições oficiais hoje, frente, fundo, verso e inverso. São construções de vinte, trinta, quarenta anos passados. Compare com as de outros entes federativos. Natal armazena em suas ruas, praças e logradouros, lixo, fezes, fedentina, drogas, violência e corrupção. Conservação, por conseguinte, invertida da que se espera e se propõe.
 
Por fim, tudo é relativo. Tem causa e efeito. O orçamento estadual é hoje refém do colossal tamanho da máquina funcional, verdadeiro monstro Leviatã do qual falou o teórico político filosofo inglês Thomas Hobbes no século XVII. Sem comentar os desperdícios do estuário caudaloso da má gestão explícita e implícita que sempre atormentaram os governantes de todos os níveis (de federal à municipal), depreende-se que é difícil e distante o conserto ou reparo da máquina. O arcabouço legalista que gerou todo esse emaranhado é um “nó de jabá” indesatável, catimbado, mijado em cima porque foi criação do homem, pelo homem para o homem. Fisiológico, pantagruélico, corporativo, elitista, fome zero.