Cefas Carvalho

01/05/2019
 
Evangélicos começam a desaprovar Bolsonaro: Hora de diálogo, não de revanche!
 
 
Números. Aqui se fala em números, não em paixões, que neste post especificamente não serão bem vindas.
 
Entre os evangélicos o apoio ao presidente caiu de 60% de aprovação para 41%. Ou seja, uma queda de 25%. Em menos de 4 meses!!!
 
Cartesianamente raciocinando, cabe agora diálogo com o segmento evangélico. Sem paixões, sem retaliações.
 
Dialogar como Lula fez entre 2000 e 2002 com a Carta ao Povo Brasileiro, aceno para o mundo empresarial com José Alencar de vice.
 
Ou seja, hora da Esquerda parar com a inércia, a militância sair dos memes e euforias de um dia só ("Olha, a menina se recusou a cumprimentar Bolsonaro" ahahaha) e partir para o que justamente Lula faz de melhor: dialogar. Boulos também deveria exercitar esse diálogo, tem potencial para isso se sair da bolha.
 
Com os diferentes, claro. Dialogar com amigos é moleza, além de não ser política, e sim festa.