Cefas Carvalho

15/06/2019
 
"ODEIO A ARGENTINA"
 
Assisto a partida entre Argentina x Colômbia, pela Copa América, no velho Espetinho Eucaliptos de guerra. A seleção que Messi leva nas costas perdeu por 2x0. Fazendo depois dali meu périplo etílico-social pela rua, entre Grilo Lanches e Ki Pão, paro na Padaria Pani Pizza para comprar pão e torrada.
 
Na fila, uma senhora que sempre vejo na rua e que certamente me viu assistindo o jogo no bar, comenta comigo:
 
- A Argentina perdeu, não foi?
 
- Sim, perdeu por 2 a 0.
 
- Acho é pouco. Odeio a Argentina!
 
Espantado com a raiva repentina, indaguei o porquê:
 
- Ah, os argentinos são arrogantes, prepotentes.
 
- Senhora, eu assisti à partida, os jogadores jovens argentinos pareciam assustados e bem humildes,
 
- Mas eu falo dos Argentinos como um todo. São grosseiros, parecem sujos.
 
Pensei em perguntar "A senhora já foi á Argentina?", mas sabia a resposta. Que ela jamais foi ao belo país platino. O ódio dela é gratuito, sem qualquer fundamentação lógica e artificial.
 
O mesmo tipo de ódio que se tem por um partido, por uma orientação sexual diferente da nossa, de uma cor de pele.
 
Ódio. Boa parte das pessoas parece movida a isso atualmente.