Andrezza Tavares

04/08/2019
   
Ideias sobre o currículo integrado para escolas de  educação profissional
 
Por Andrezza tavares e Joaquim Pereira
 
    A proposta de currículo integrado é uma alternativa para ser assumida no ensino médio. O trabalho com esse tipo de currículo deve estar embasado na formação omnilateral e politécnica. 
 
     A formação humana omnilateral ”implica a integração das dimensões da vida que estruturam a prática social [...], o trabalho (dimensão ontológica e histórica), a ciência (conhecimentos produzidos pela humanidade) e a cultura (valores éticos e estéticos)”. 
 
     A literatura do campo da educação profissional transformadora enfatiza que o primeiro sentido da integração curricular deve ser filosófica, pois se embasa na formação omnilateral do sujeito tornando possível o diálogo integrador sobre trabalho, ciência e cultura, fundamentais e estruturantes da prática social.
 
      A concepção de politecnia se afirma por meio da junção entre escola (educação) e trabalho (produção). Nesse aspecto, deverá existir a articulação entre trabalho produtivo e formação intelectual. 
 
      A perspectiva dialética compreende que a educação deve partir da análise concreta de sua relação com o trabalho, pois ambos são dimensões da vida dos homens que, em sua historicidade, se transformam, articulando-se às transformações do modo de produção.
 
      Educação e trabalho devem se articular às transformações do modo de produção humana, partindo da concepção de politecnia, objetivando formar o indivíduo. Politecnia significa especialização como domínio dos fundamentos científicos das diferentes técnicas utilizadas na produção moderna.
 
     O currículo integrado em educação profissional permite que educação e trabalho sejam tratados de forma explícita, relacionados à autonomia do saber e deve está associada aos aspectos culturais, econômicos e políticos, oportunizando aos estudantes uma prática educativa que parte da concepção da formação humana integral, consolidando cidadania plena.