Nicole Tinôco

09/08/2019
 
Quero você ou seus seguidores ?
 
Como algumas pessoas devem saber eu sou uma pessoa bem afeta às redes sociais. Costumo postar sempre, utilizo recursos, stores , gifs e afins o que acaba me caraterizando como alguém muito antenada.  Não é novidade alguma , por exemplo, levar a pecha de blogueira por estar sempre botando “minha cara” nas redes. 
 
É engraçado o poder que essa coisa virtual tem. Já fiz grandes amizades à distância, conheci pessoalmente também, é um mundo paralelo que só quem curte essa coisa de redes se permite viver.
 
Esses dias conheci um cara. Vou contar porque achei um história boba mas me fez pensar um bocado. Ele era mais novo e jogador de futebol da base do São Paulo. Só pelo perfil não me causaria nenhum interesse. E não causou, mas sua insistência em me conhecer me levou a escrever esse texto hoje. 
 
Primeiro que ele se espantara por eu ter respondido : “Você é famosa, achei que não me daria bola.” E não dei mesmo, no decorrer da história vocês verão que fui até um pouco grosseira. Mas eu queria saber o que levou aquele cidadão a me elevar a um patamar de superioridade aos demais mortais. 
 
“Você tem muitos seguidores, é tipo uma modelo”. Logo eu , do alto dos meus 1m54, modelo. Tem até graça. Aquela conversa besta e trivial já tomava parte da minha noite mas eu não conseguia por fim, continuava intrigada em saber a razão do encantamento daquele jovem de 23 anos com a minha pessoa. 
 
No começo foi até tranquilo, aquelas paqueras bobinhas querendo saber o que o outro faz da vida, o que gosta como lazer. Eu que já queria ter parado o papo a muito tempo comecei a ser monossílábica e demorar a responder. Ele até me questionou se eu era “fake”: - Nos stories tão falante e no privado de tão poucas palavras.
 
É meus amigos, vocês têm que admitir que sou uma pessoa paciente e gentil. Outra no meu lugar já tinha bloqueado ou terminado a conversa. Mas eu sou besta pra danado, morro de dó em deixar alguém sem resposta , ainda que eu não tenha interesse algum. 
 
Até que lá pras tantas ele me manda uma foto, calma não eram nudes, ele estava comendo cachorro quente. Haha É isso mesmo, nessa altura da história eu já estava cansada de tantos tentativas de fim de conversa, meti milhares de pontos de interrogação ???? Aí ele vem e me solta : “Ah ! desculpa, esqueci que blogueiras como você não comem esse tipo de coisa .”
 
Ah vá ! Enchi o saco, soltei uns pequenos desaforos, acabei a conversa mas em seguida cai na risada. Essa besteira toda que contei pra vocês aqui só aconteceu por causa de meia dúzia de seguidores que eu tenho no Instagram que me fez ser elevada por esse rapaz a categoria de subcelebridade. 
 
Que coisa engraçada né? Por alguns instantes eu me senti superior ao moço. Importunada pela sua abordagem, pelas asneiras que falava, mas principalmente porque ele me colocou numa posição que volta e meia alguns desconhecidos costumam me tratar também, de influencer digital e por conseguinte de alguma forma famosa. 
 
Sou uma mistura de coisa alguma misturada com porcaria nenhuma. Resultado de um mundo digital que dá voz a quem se propõe a construir algum conteúdo (de qualidade ou não) nas redes, construí um Instagram até bem visitado. Mas o que me faz superior aquele jovem é o que vos chamo a reflexão. Estamos construindo um mundo de pseudo famosos, que muitas vezes nada tem a agregar porém com direito a público. 
 
E é esse público que me chama atenção. Jovens com desejo de angariar seguidores, que se sentem conquistando algo muito incrível ao conseguir falar com uma “influencer”. 
 
Estamos baseando nossas relações em likes é isso não me soa nada legal. Por mais moderna que eu seja, no que tange a relações sou daquelas à moda antiga que valoriza o pegar na mão e os bilhetinhos amorosos. 
 
Não quero perder isso, é agora estou aqui me questionando o quão responsável eu sou, contribuindo com esse mundo de aparências. Não quero que o romance se perca. E se preciso for fecho até minha conta. Falo sério. Mas que voltemos a nos encantar mais pelo olho no olho.