Papa pede cuidado especial àqueles que têm "fome e sede"

19/03/2013

Por: UOL

 

 

Papa Francisco144 fotos

138 / 144
19.mar.2013 - Antes do início da missa inaugural, o papa Francisco quebrou mais uma vez o protocolo em seu pontificado, desta vez durante desfile pela praça de São Pedro, no Vaticano. Pela primeira vez a bordo do papamóvel, ele interrompeu por alguns instantes o percurso e desceu do carro para cumprimentar os fiéis Gregorio Borgia/AP

Durante a missa inaugural de seu ministério petrino, realizada na manhã desta terça-feira (19), o papa Francisco pediu especialmente aos chefes de Estados presentes, assim como todos os demais fiéis, que cuidem daqueles que têm "fome e sede". 

MAIS SOBRE O NOVO PAPA

"Deus quer fidelidade à sua palavra", disse o pontífice. Essa palavra, segundo ele, inclui o respeito a todos e o cuidado por todos e por cada um, "especialmente pelas crianças e pelos idosos", assim como para pelos "mais pobres e mais fracos"  

Quem tem fome e sede, como ele apontou, está em uma prisão. "E quem serve é capaz de proteger", acrescentou o sucessor de Bento 16. Segundo ele, esse é o caminho para que os sinais de destruição não acompanhem o caminho "deste mundo".

"Antes de guardarmos os outros, devemos cuidar de nós mesmos. O ódio, a inveja e o orgulho sujam a vida", afirmou o pontífice que explicou que "guardar" é "vigiar" os sentimentos. "São deles que sai as boas e as más intenções."

Perfil do novo papa 

Primeiro papa latino-americano da história da Igreja Católica, Jorge Mario Bergoglio nasceu em Buenos Aires, capital da Argentina, em 17 de dezembro de 1936.

Foi ordenado sacerdote em 13 de setembro de 1969. O jesuíta foi nomeado bispo titular de Auca e auxiliar de Buenos Aires pelo papa João Paulo 2º em 20 de maio de 1992. No mesmo ano, ele foi confirmado como bispo titular da capital argentina em 27 de junho.

Na Argentina, Bergoglio é conhecido pelo conservadorismo e pela batalha contra o kirchnerismo. O prelado também é reconhecido por ser um intenso defensor da ajuda aos pobres.

O argentino costuma apoiar programas sociais e desafiar publicamente políticas de livre mercado.

Bergoglio é considerado um ortodoxo conservador em assuntos relacionados à sexualidade, se opondo firmemente contra o aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o uso de métodos contraceptivos.

Em 2010, entrou em controvérsia pública com a presidente Cristina Kirchener ao afirmar que a adoção feita por casais gays provoca discriminação contra as crianças.

Em seu primeiro discurso, feito logo após o anúncio de seu nome, Francisco 1º agredeceu ao acolhimento da comunidade de Roma e, também lembrou do papa emérito Bento 16, seu antecessor.

Ele bateu outros cardeais considerados favoritos, como o italiano Angelo Scola e o brasileiro Odilo Scherer.

 

Fonte: UOL