A Consciência e as Energias

02/05/2014

Por: Thiago Leite

Segundo a Conscienciologia, o universo pode ser abordado sob dois aspectos  de sua realidade: a energia ou matéria, a parte substancial e objetiva que forma as “coisas” concretas e ocupa espaço; e a consciência, a individualidade que sente, pensa e age, a parte subjetiva e abstrata, existindo além da energia

A energia pode ser percebida e medida através dos sentidos e de instrumentos. A consciência só pode ser percebida por si mesma ou por outra, de maneira indireta, através dos resultados de sua manifestação, seja por gestos e posturas, por palavras ou pelas energias sutis (energias conscienciais) que podem ser identificadas pelos sentidos extrafísicos (que vão além dos sentidos do corpo humano).


A manifestação da consciência se dá em sua interação inevitável com as energias, estas em estados variados, desde a mais densa (intrafísica) até as mais sutis (das dimensões extrafísicas). A consciência não se faz manifesta nem se relaciona com outras a não ser através de energias. Até mesmo na telepatia é preciso haver alguma troca de energias entre os envolvidos que compartilham pensamentos.


Essa manifestação se compõe de três elementos indissociáveis: pensamento (pen), sentimento (sen) e energia (ene). Dessa forma, a unidade básica de manifestação da consciência é chamada de pensene. Não há pensamento sem que haja um sentimento a ele atrelado e sem que energias sejam mobilizadas no processo. Também não há ação que não implique em sentimento e gere algum nível (mesmo que seja mínimo) de reflexão. E qualquer sentimento afeta o pensamento e as energias.


Quando estamos lendo um artigo de jornal, por exemplo, muitas coisas acontecem ao mesmo tempo dentro de nós. Enquanto vamos refletindo sobre as ideias apresentadas (pensamento), construímos uma impressão negativa ou positiva, aberta ou arredia (sentimento), e tudo isso é feito utilizando nosso corpo (energia), através das mãos que manipulam o papel e dos olhos que veem o texto.


O pensamento é a parte mais sutil do pensene, a mais abstrata, que representa o processo mais próximo da atividade consciencial, o acúmulo de ideias, experiências e memórias que vão compondo a complexidade de consciência, através de várias vidas sucessivas.

O sentimento tem como origem as sensações advindas do “contato” entre energia e consciência. Toda interação da consciência com a energia provoca uma reação consciencial, que pode ser as sensações de frio, calor, dor; as emoções do medo, do prazer, da raiva; ou os sentimentos de fraternismo e serenidade. Desde as sensações mais simples e instintivas até os sentimentos mais elaborados, a consciência sempre sente em suas manifestações.


Os pensenes de uma consciência podem estar mais “carregados” de um de seus elementos. Podemos dizer, por exemplo, que num exercício físico ou um trabalho braçal predomina a energia sobre o sentimento e o pensamento. Já numa apresentação artística prepondera a emoção, enquanto a atividade intelectual de pesquisa científica tem o foco no pensamento.


A realidade multidimensional da consciência implica que sua manifestação não se restringe às consequências imediatas das ações de seu corpo na dimensão intrafísica. Elas extrapolam esta dimensão. Todo pensamento se atrela a um sentimento, positivo, negativo ou neutro, e mobiliza energias mais densas e mais sutis. Pela afinidade de padrões energéticos, as energias (especialmente as mais sutis) tendem a se agregar, formando holopensenes.
Os holopensenes caracterizam os padrões energéticos dos ambientes, fazendo com que as pessoas que entram em contato com eles sintam sua influência ou percebam os tipos de pensamentos e sentimentos atrelados a esses locais. É comum que nos sintamos bem ou mal em certos ambientes, dependendo da história do local (um lugar que foi cena de assassinato normalmente carregam um clima negativo) e do tipo de trabalho ali empreendido (uma biblioteca geralmente propicia um ambiente de reflexão e estudo).
É importante cultivar, em nossas manifestações, pensamentos racionais e organizados, sentimentos fraternos e serenos e ações construtivas, com consequências positivas para todos ao nosso redor. Dessa forma, podemos contribuir para a constituição de um holopensene acolhedor e propiciador de saúde consciencial.
Todo pensamento repercute no universo ao nosso redor e tem efeitos negativos ou positivos em nós mesmos, nos ambientes e nas pessoas em quem pensamos. Daí a importância de manter pensenes universalistas, autoconstrutivos e serenos. Pensenes negativos dirigidos a outras pessoas são prejudiciais, em primeiro lugar, para a pessoa que os produz.
Você percebe as consequências de seus pensenes? Tem consciência da responsabilidade que seus pensamentos podem implicar?


Próximo evento da INTERCAMPI: Palestra gratuita sobre o tema “Intoxicações Energéticas, a ser ministrada pelo professor Xisto Genes, no dia 08 de maio de 2014, das 20h às 21h30, na sede da INTERCAMPI, Av. Antônio Basílio, 3006 – Edifício Lagoa Center, sala 901 Lagoa Nova – Natal - RN.
Informações: Fones: 84.3211-3126/8726-2987 intercampi@intercampi.org; www.intercampi.org
 

Fonte: INTERCAMPI