José Vieira: “Lutamos para resolver o problema do endividamento rural”

16/06/2016

Por: José Pinto Junior
Foto: Tiago Rebolo
Como presidente do Sistema FAERN/SENAR, qual o seu olhar sobre a nomeação do novo secretário de Agricultura do Rio Grande do Norte?
Nós do sistema produtivo ficamos muito satisfeitos com a escolha. O governador escolheu o produtor rural Guilherme Saldanha, que conhece e vive no setor. Inclusive, ele exerceu a presidência do Sindicato Rural do Alto do Rodrigues. Isso é muito importante. Da mesma forma vemos a nomeação da nova diretora-geral da EMATER, a qual faz parte dos nossos quadros do SEBRAE. Nós sedemos nossa colaboradora justamente para poder ajudar o estado. Ela é uma técnica muito competente e não tenho dúvidas de que o Governo fez escolhas muito boas. O setor está satisfeito.
 
A nível nacional, está sendo discutida a questão do endividamento rural, que já vinha sendo debatida desde o governo anterior. Isso andou no governo interino de Michel Temer?
Bem lembrado. Desde o ano passado que nós estamos trabalhando essa questão do endividamento rural. No final do ano, tivemos a Medida Provisória 707 sancionada pela presidente Dilma Rousseff, mas ela não atendeu basicamente em nada o setor rural, porque a questão só foi prorrogada. De lá para cá, estamos fazendo um trabalho junto aos ministérios da Agricultura, da Fazenda e da Integração e toda a bancada do Nordeste para corrigir. Com isso, conseguimos construir através de emendas parlamentares uma Medida Provisória que de fato viesse a resolver o problema. Então, foi aprovada na Câmara, foi ao Senado e agora ficou a Medida Provisória PLV (Projeto de Lei de Conversão) 08/2016, que vai para a sanção do presidente interino Michel Temer. Estamos otimistas. Existe um compromisso de que não irá ter veto a esse PLV. Pela primeira vez, nós conseguimos colocar dentro da lei condições que vão proporcionar aos produtores renegociarem sua dívida ou até mesmo liquidá-la. Precisamos fazer novamente a reinserção do produtor na atividade rural. Os produtores estão endividados, vindos já do quinto ano de seca. Precisamos reinseri-lo na atividade produtiva.
 
O Sr. quer dizer renegociar a dívida, mas ao mesmo tempo abrir a possibilidade de o produtor rural obter novos créditos?
Isso, para que ele possa voltar para a atividade rural, porque produtor rural ele tem toda sua atividade por vocação, ele conhece a atividade, mas ele precisa também ganhar dinheiro, sobreviver, criar seus filhos, isso tudo da atividade rural. 
 
Em relação à questão da seca, na outra vez que nós conversamos, o Sr. colocava que a chuva havia chegado em algumas regiões do estado. O resultado foi que alguns açudes e barragens saíram do volume morto. Qual é o retrato atual?
A situação ainda é muito crítica. A chuva que vem ocorrendo não está sendo suficiente para fazer com que melhore o volume do Estanho ou do Gargalheiras. A Barragem Armando Ribeiro melhorou muito pouco... O problema é que não está acontecendo a reposição dessas águas, pois a chuva não está sendo suficiente. Isso tem nos deixado muito preocupados.