Ou se destrói Bolsonaro, ou ele destruirá o Brasil

17/06/2019

Por: Mario Trajano
 
Bolsonaro demonstrou em Santa Maria/RS o seu mais completo desprezo pelo Estado Democrático de Direito, pregando explicitamente, sem qualquer arrodeio, ou pudor, armar a população( certamente os poucos que ainda o idolatram) para defender o seu natimorto mandato, cada vez mais fadado ao impeachment, sobretudo após as imensas manifestações populares ocorridas nos últimos dois meses contra o seu desgoverno e o escândalo da "Vaza Jato", com as denúncias feitas pelo site The Intercept( comandado aqui no Brasil pelo grande jornalista Glenn Greenwald, ganhador do Pulitzer e do Oscar de Melhor Documentário) ,mostrando ao Brasil e ao mundo que o " super ministro" bolsonarista, sem o qual a sua eleição seria inteiramente impossível, trata-se apenas de um criminoso vil e vulgar.
 
Esse desgoverno não tem mais qualquer perspectiva de futuro, ou sofrerá um impeachment, ou será derrubado pela via de um golpe de estado, a ser orquestrado por alguns dos quadros e setores que apoiaram a sua ascensão ao poder, na eleição fraudada de 2018, os mesmos que em 2016 usurparam o mandato democrático e constitucional da Presidenta Dilma Roussef. Se isso acontecer, tal não se dará por qualquer respeito às instituições democráticas de nossa Pátria por parte desses setores conservadores da vida pública brasileira, mas sim, por mero cálculo, por simples instinto de sobrevivência dos rentistas,dos senhores do mercado e de uma classe política decadente e carcomida pelo monstro fascista que eles próprios ajudaram a criar, por simples receio de se verem devorados pela serpente cujo ovo eles mesmos trataram de chocar.
 
Resta, após essa gigantesca afronta ao povo e à democracia brasileira, cometida pelo próprio Chefe de Estado, como sendo inequívoca a prática de gravíssimo crime de responsabilidade que abre espaço( mais uma vez) para a abertura do processo de impeachment da maior aberração política de nossa história.
 
A sua estratégia é de destruição e morte. Por mais despreparado politicamente que ele seja, não é possível que ele não tenha se apercebido que a sua gestão não possui(e talvez nunca tenha possuído) qualquer condição de sustentabilidade.
 
Ele sabe perfeitamente- e até as pedras de mármore do piso do Palácio do Planalto também sabem- que não há qualquer condição de governabilidade, que vivemos em um País ingovernável e acéfalo, envolto em uma crise política, econômica e social sem qualquer precedente na nossa história e sem qualquer perspectiva,a curto prazo, de retorno à normalidade institucional.
 
E é justamente por isso que ele é tão perigoso. Ele sabe que não tem como se sustentar no poder pela via da normalidade,lastreado nas instituições democráticas. E o que ele faz diante disso: age como um incendiário, joga querosene na fogueira, ateia fogo em Roma, como um Nero, desajustado e insano, na feliz comparação feita pelo ex Presidente Lula,.
 
Bolsonaro cria, ou aprofunda, crises com uma facilidade impressionante e é com isso que ele pretende manter-se no poder. As suas ameças à democracia não se tratam de meras bravatas de um débil mental, tratam-se de uma estratégia de destruição, do quanto pior melhor. Ele ameaça armar a população porque sabe que , a depender das vias institucionais, ou mesmo com o apoio da direita dita "civilizada"( que já dá inequívocos sinais de tê-lo abandonado) , ele jamais se sustentará muito tempo na Presidência. O seu objetivo é claro: ele pretende dar um golpe de estado, ou jogar o Brasil em uma guerra civil. Esmera-se em seu discurso de ódio, pois foi dele que sempre se nutriu e é com ele que espera, jogando parte da sociedade brasileira contra as instituições republicanas, manter-se vivo politicamente.
 
Bolsonaro precisa ser parado, tem que ser urgentemente freado em seus ímpetos ditatoriais. Ele pode ser um completo idiota, mas é um idiota extremamente perigoso. Os setores progressistas da sociedade brasileira tem que agir rápido, esse louco precisa ser contido.Ele é uma completa ameaça ao que ainda resta da nossa frágil democracia, conspira abertamente, escancaradamente, contra o nosso povo e contra a nossa Pátria.
 
Se as forças democráticas não se unirem e não derrubarem esse canalha, o nosso País corre o concreto risco de virar uma ditadura escancarada, como já o foi nos tristes anos da ditadura de 1964, ou como nações terror, por ele ardorosamente defendidas, como o Chile de Pinochet, o Paraguai de Stroessner, ou a Argentina, de Videla, Viola e Galtieri. Será isso, ou então iremos vivenciar a epopeia trágica de uma sangrenta guerra civil, fratricida e irracional, como todas aquelas que os EUA provocaram, como na Síria, Colômbia, Líbano, Afeganistão, Vietnã, Coréia, Líbia, Iraque,Iêmen, Somália, Nicarágua, El Salvador, Honduras e em diversos outros países ao redor do planeta.
 
Ou o Brasil e os seus democratas, de todos os quadrantes, destroem Bolsonaro, ou ele e os seus asseclas, os criminosos, milicianos e fascistas que o cercam serão responsáveis por um processo de degeneração, de retrocesso civilizatório tamanho que, inexoravelmente, culminará com a inteira destruição da nossa amada Pátria Brasileira.