José Pinto Júnior

24/12/2018
O ano termina e os problemas continuam
 
Recebi um abraço afetuoso e ouvi palavras que em 2019 tudo vai ser diferente. Que tudo vai ser muito melhor. Sorri e evitei falar para não estragar a alegria do otimista amigo. Afinal, nesta época do ano ficamos com o "coração mole". Mas no fundo sabemos que o ano passa e os problemas ficam para serem enfrentados nos anos seguintes, pelo menos, as grandes questões.
 
Chegaremos a 2019 com muitos potiguares e brasileiros desempregados. A governadora Fátima Bezerra administrará um Estado quebrado. Já o País estará na mão do truculento Bolsonaro começando seu governo tentando explicar problemas éticos com os próprios filhos.
 
Buscar esperança no Congresso Nacional não parece ser a melhor inspiração. As mudanças que se observe lembra a batida frese Ulysses Guimarães. "Está achando ruim esta legislatura, espere a próxima". Há uma impressão apoiada por muitos parlamentares de que sempre dá para piorar.
 
A violência campeia e Estado parece sempre dois passos atrás da criminalidade organizada. Outros países enfrentaram a questão, outros não. Não se percebe capacidade de reação da legalidade.
 
O ano de 2019 herdará muitas mazelas do ano de 2018. Pode-se encarar de três formas.distintas. A primeira que é assim mesmo e não tem jeito. A segunda: tudo vai se resolver ao seu tempo. E  a terceira, 2019 é um ano da oportunidade para se vencer os desafios impostos que não foram resolvidos em 2018.  Filio-me a terceira opção. Justamente a que pede muito trabalho, esforço e até renúncia.
 
Então, mãos à obra!