Ana Paula Campos

28/10/2019
 
QUEM ESSA NEGRA PENSA QUE É?!
 
 
Recentemente li uma reportagem sobre Maju Coutinho, jornalista âncora do Jornal Hoje. O que deveria ser uma discussão sobre o seu talento e desenvoltura à frente do telejornal, tornou-se uma discussão esvaziada e racista em torno do seu penteado black power, que está mais volumoso, graças ao uso de apliques. 
 
Segundo a reportagem, a Emissora Globo havia realizado algumas análises e enquetes sobre a opinião do público quanto ao novo visual da jornalista. A grande maioria declarou estar insatisfeita, afirmando que ela deveria manter o penteado anterior. 
 
Quando o cabelo crespo de uma jornalista negra extremante competente toma conta das agendas midiáticas, evidencia-se o racismo, tornando-o explícito. Em outras palavras, estão dizendo: “Tudo bem! Até aceitamos mulheres negras como âncoras de um jornal, mas empoderadas e se auto afirmando em rede nacional, com esse cabelo volumoso, já é demais. Ela precisa se colocar no lugar dela!” O volume do cabelo de Maju Coutinho, ocupa os espaços privilegiados brancos e incomoda os racistas. 
 
Quem são vocês brancxs, pra decidirem como Maju deve ou não usar seu cabelo ao apresentar o Jornal Hoje? Não lembro de debates e enquetes sobre os cortes de cabelo dos homens e mulheres brancos e brancas que ocupam as bancadas dos telejornais. 
 
Fomos silenciadas desde o período da escravidão, quando a pele negra era tolerada pelas senhoras de engenho, mas o cabelo não. As escravizadas tinham que manter seus cabelos “domados”, uma vez que estes estavam associados a selvageria. Infelizmente, ainda hoje no Brasil, o que define o belo ou apropriado, é o grau do racismo. 
 
O black power de Maju Coutinho é mais que uma escolha estética. É uma fala política, e vocês brancxs, não tem poder sobre isso! 
 
Mas vocês podem me questionar: “De novo o assunto do cabelo?” Enquanto ele estiver incomodando os branxs, sim! Portanto, tirem as mãos dos nossos cabelos!