Renisse Ordine

26/03/2020
 
Abram os livros, o piloto sumiu!
 
 
As sirenes da ignorância berram por todos os cantos. A sociedade brasileira está sem direção, tudo leva a crer que estamos prestes a embarcar de vez na era da “Idiocracia”.
 
Para quem desconhece, a Idiocracia é termo usado para indicar uma sociedade de idiotas, ou utilizando de palavras mais simples e direta: Idiocracia, a era da burrice. Tanto que há um filme homologo, lançado em 2007, que aborda esse assunto, demonstrando uma era em que os idiotas passam a habitar e a dominar o mundo. Isso em um processo em que as pessoas cultas são extintas, tendo a reprodução como fator que ocasiona essa situação. Ou seja, pessoas mais esclarecidas tinham mais consciência em formar famílias, valorizando o estudo e carreira; enquanto as pessoas menos capacitadas intelectualmente, reproduzem cada vez mais. Tornando, deste modo, uma sociedade totalmente banalizada.
 
O enredo já não é ficção, basta olhar para o seu lado e perceber o quanto estamos regredindo em vários aspectos da educação e da cultura. As pessoas bem informadas, inteligentes e coerentes são cada vez mais ridicularizadas, sempre há uma pessoa que surge “do nada” ou subcelebridades para contradizer, sem embasamento nenhum, os estudiosos, utilizando-se de fake news. Ah! As malditas fake News de uma era preguiçosa intelectualmente, elas reinam. 
 
A forte divisão política é um dos fatores que favorece a desvalorização cultural. Vemos pessoas que não sabem nem escrever e muito menos argumentar fazendo defesas com teses copiadas de um desorientado qualquer. Quem compartilha, em grande parte, não sabe nem o que está sendo compartilhado. São pessoas que sequer pegam um livro de banca para ler. Informo que, eu não tenho preconceito nenhum com tais livros. Eu amo livros e toda a leitura é válida. 
 
Não é a toa que está cada vez mais difícil de fazer cultura nesse país, e isso tende a piorar. Pois, não temos mais direcionamento político e social, não há governo ou outra autoridade que favoreça um novo ambiente. O que há, são pessoas que assumem o leme do navio, e faz com recursos próprios, cultura nesse país. Devido a esses marinheiros, a cultura sobrevive apesar do  mar tempestuoso. 
 
E nesse mar revolto, a única tábua de salvação que temos são os livros. Amem os livros, leiam, informe-se corretamente e seja mais um guiar esse grande navio, que destoa dos demais. Abram os livros, apoiem-se fortemente neles, pois não há um piloto para nos orientar.
 
Tenha bem claro, a ignorância não é uma virtude!