Valério Mesquita

13/05/2020
 
JOSÉ DE ALMEIDA
 
 
Domingo 18 de janeiro, foi um dia triste para mim. Quando retornava do hospital onde fôra visitar a minha mãe, recebi a noticia do falecimento súbito de José de Almeida, amigo, conterrâneo e irmão maçônico da Loja Bartolomeu Fagundes. Com a voz embargada pela emoção, Ticiano Duarte, meu primo e Grão Mestre do Grande Oriente Independente do Rio Grande do Norte, transmitiu a infausta noticia com dificuldade. Almeida era o secretário especial do Grande Oriente com devotamento exemplar a causa maçônica e uma convivência diária que enternecia a todos.
 
Neutralizado pelo impacto, de repente, fluíram-me as lembranças e as passagens de nossas vidas todas ligadas a Macaíba,  território emocional de inesquecíveis jornadas. Comecei pelos seus pais Alfredo de Almeida e D. Ana, compadres dos meus pais, que cumpriram uma amizade indelével ao longo da existência, compartilhada de atitudes de fidelidade e respeito jamais contrariados em momento nenhum da missão divina e dadivosa aqui na terra. Imaginei a imensa perda para a sua esposa Dione, o único amor de sua vida e dos seus filhos Almeidinha, Alexandre e Cláudio. Como uma procissão de relembranças, restituo as figuras dos seus irmãos Cícero Almeida, Mariluza (falecida), irmã Almeida (falecida) e Netinha. Quanta dor pela partida tão prematura de José!!
 
O desapontamento da contrariedade me impunha silêncio e recordações. Não queria aceitá-lo morto, inerte. Ele que foi irrequieto, disponível, prestativo, solidário, sincero,
incondicional nas amizades. Amou Macaíba como uma entidade superior, tanto quanto a sua pátria que jurou servi-la ao ingressar no Exército Brasileiro. José Almeida era presidente do Lions Clube de Natal-Norte e esteve à frente de todos os acontecimentos sociais, esportivos, culturais e políticos de sua terra ao longo de quarenta anos. A maçonaria era a sua dedicação e paixão. Macaíba não pode esquecê-lo jamais.
 
Na vida social o Pax Clube lhe deve tudo. No esporte o Humaitá e o voleibol não o olvidarão jamais. Na política, ao lado de Dione, participou de memoráveis eventos em favor do Município, pois foi secretário municipal por mais de uma vez. Boêmio, amigo dos mais simples, pobres e ricos, pretos e brancos, posso afirmar, sem medo de errar, que em cada esquina, praça, rua, bares da vida boêmia de Macaíba, êle será sempre reverenciado por todos com saudade e ternura.