Ana Paula Campos

08/06/2020
 
A MILITÂNCIA ADOECE. CUIDE-SE!
 
 
Todas as gerações passam por processos de luta. Qualquer um/a que tenha o mínimo de sensibilidade e empatia sofre e une-se à causa: a sua ou a do/a outro/a. Resistir sempre será a ordem do nosso discurso, mas para que tenhamos força para o combate diário é necessário que reservemos um tempo para o nosso autocuidado. 
 
Djamila Ribeiro sempre nos lembra de que mulheres negras não foram criadas para receber amor. Crescemos com o estereótipo de que somos mais fortes e mais resistentes por causa da nossa cor. Introjetamos a ideia colonial de que devemos seguir na luta até a exaustão. Fomos objetificadas ao longo da História e lutar constantemente para que sejamos vistas como humanas é extremamente cansativo.
 
Toda vez que levantamos a nossa voz e assumimos nosso lugar de fala, surgem represálias de todos os lados; sobretudo de homens e mulheres brancas que têm dificuldade para silenciar e ouvir, e mais ainda de refletir sobre o que está sendo dito. É um processo estafante a argumentação de defesa.
 
De modo geral, somos mulheres negras e mães solteiras, e precisamos dividir nosso tempo entre cuidar dos/as filhos/as, trabalhar e estudar. Não temos ninguém por nós; então, como fica o nosso bem-estar?
 
Uma das duras realidades que com muito esforço aceitei diz respeito ao fato de que nós não vamos conseguir acompanhar todas as notícias que surgem nas redes sociais. Mas tudo bem! Às vezes é até melhor aprofundarmos nossas leituras e guardarmos energia para a luta, do que perder tempo com discussões superficiais e esvaziadas na internet que não vão levar a nada.
 
Lembre-se de que antes de ser mãe e profissional, você é um indivíduo único. Dedique um tempo só para si: leia, durma e até veja aquele romance bobo. Como bem nos adverte Conceição Evaristo, para quem aprendeu historicamente a cuidar do outro, pode até parecer egoísmo optar pelo autocuidado, mas está longe de sê-lo. É principalmente um revigorar das forças. 
 
Finalmente, una-se a outras pretas. Por todos os lados mulheres negras também estão precisando de cuidado. Organize a sua agenda de militância reservando um momento para suas amigas. Jogue conversa fora, desabafe, peça conselhos e chore. Tudo é válido para o nosso fortalecimento. Estamos juntas, na dor e na luta!
 
#justiçaporMiguel