Emanuela Sousa

20/09/2020
 
Tempo e Essência
 
Me vi durante toda a semana recordando fotos de um passado distante... Uma festa com amigos em setembro de 2017. Reparei nas fotos. Eu tinha um outro corte de cabelo, usava um óculos redondo, um tanto desproporcional ao tamanho do meu rosto e eu sorrindo enquanto abraçava algumas pessoas. Alguns desses rostos, eu não lembro mais, pois perdemos o contato, outros permanecem em minha vida. Num breve momento, lembrei também da bebida, da casa, de algumas músicas tocadas neste dia e de como eu estava um tanto quanto empolgada.
 
De repente os flashes vieram e comecei a lembrar como as coisas estavam serenas lá em 2017... Eu não tinha tanta responsabilidade, o mundo não estava tão caótico como hoje... Ainda tínhamos um pouco de esperança, mirava o horizonte. Ainda tínhamos fôlego.
 
 Hoje já não uso o mesmo corte de cabelo, o óculos mudou... Não tenho mais a mesma ingenuidade de antes e a minha visão em relação ao mundo não é a mesma. Exceto que, continuo particularmente preocupada com o que veremos no futuro.
 
A velocidade de como o tempo passa e muda as coisas de lugar é algo que ainda me intriga. Fico me perguntando o que restou de 2017.  Que rumo tomaram essas pessoas que não tenho mais contato, que a história levaram e a direção que o mundo tomou.
 
Ontem enquanto tomava um drink, em um bar Lgbt acompanhada de uma amiga eu escolhia alguns hits para tocar na máquina de músicas, notei que escolhi as mesmas tocadas ainda de alguns anos atrás. Está nostálgica? Sim. Logo começo a pensar o que sobrou de mim daquela época para cá, por alguns minutos senti uma leve  tristeza, acompanhada de uma dose de ansiedade... Não, eu não quero lembrar do coração partido, não quero falar sobre meu recente término, não quero tocar na ferida agora... Quero ouvir e pensar em coisas que fazem o coração pulsar. A tristeza se dissolveu ao perceber que meu coração ainda vibra quando a música toca, ainda fico  empolgada quando dizem "Agora vai começar a música que você pediu!"
 
Eu ainda vejo e sinto aquela essência vibrar... Me questiono se todas essas pessoas que passaram por mim permanecem sã depois de todo o  tempo, se suas essências estão estruturadas,  se elas são as mesmas, assim como eu, de mente caótica, intensa que tem sede de viver.
 
Quem é você  depois do temporal?
Pra onde vai a sua essência com o passar dos anos e danos? 
 
É tudo que nos resta saber...