Emanuela Sousa

22/11/2020
 
A importância do auto conhecimento
 
 
Atravessando por tempos sombrios e que exigem muito de nós,  principalmente paciência, uma nova pauta voltou a se fazer presente: a saúde mental. 
 
Quem me conhece sabe, o quanto sou a favor da procura por  ajuda com profissionais da saúde como terapeutas e psicológos, e sabem o quão fã eu sou dessa area. 
Me foi perguntado uma vez, o que a psicoterapia tinha mudado em minha vida, eu não pensei em dizer duas vezes: "Tudo".  E realmente a abertura desde que comecei a passar por esse processo de auto conhecimento e cura, foi abrangente, e me surpreende até hoje, mesmo depois de um ano. 
 
Desde o começo da pandemia,  mesmo de quarentena, não abri mão e  continuei passando nas sessões (agora on- line) mesmo com todas as dificuldades, eu sabia que seria um periodo dificil, e o medo que a pandemia afetasse ainda mais minha saúde mental, me fez agarrar-se com mais devoção às sessões, sabendo que ela seria fundamental para um momento delicado. 
 
Não é facil ser sensível em épocas de pandemia, muito menos carregar todos os outros problemas que já  carregamos desde a nossa infância, como perdas, problemas de auto estima, inseguranças, anseios... Tudo isso  trazemos nem que seja um pouquinho, na alma. E quando não colocamos isso para fora, com um profissional na escuta (lembrando que ter amigos também são essenciais, mas não são profissionais) pode nos adoecer e causar transtornos ainda maiores no futuro. 
 
O problema é que muitos procuram a terapia quando tudo já está insuportável e para tratar isso, pode-se demorar mais tempo para curar. A solução nao chega em uma sessão, é um processo lento que pode durar meses ou anos.
 
E é isso que muitas pessoas se recusam à entender, por isso recorrem a soluções baratas e rápidas como o coaching, livros de auto ajuda; ou à bebida e a diversões achando que estão salvas. Sinto em informar, mas é  Impossível solucionar problemas emocionais, principalmente os mais densos, em coisa de sete dias. Tudo que você colocou foi um mero ban-daid para cobrir seu problema, a ferida interna permanece latente lá dentro. Cedo ou tarde você precisará trata-la novamente... É necessario muita paciência e reflexão consigo, compreender que a cura é antes que tudo, um processo. 
 
A terapia é, para mim, um alento em tempos de pandemia que trouxe mutiplos conhecimentos, um mútuo amadurecimento e a abertura para o mundo. Estourei a bolha, abri o leque e vi um horizonte à minha frente. Coisas que não conseguia enxergar antes, a limitação e o egoísmo quase cegou-me. Reconhecer nossas falhas na terapia, se pôr no lugar do outro e praticar a empatia, são pautas necessárias durante as sessões, e não é fácil, dói... Incomoda.
 
Ninguém quer assumir a culpa, afinal, a responsabilidade é sempre do outro não é mesmo?  A terapia vem para mostrar o outro lado da história, e que precisamos carregar algumas responsabilidades, sem precisar se sair sobre carregado. 
 
O resultado? Só quem passa, sabe... 
 
Serei sempre insistente que todos (eu disse todos) procurem uma ajuda profissional. Que se cuidem, que olhem mais para si e encontrem as respostas que tanto procuramos no outro ou nos eventos da vida. Não precisa estar mal para procurar alguém que nos oriente e nos escute, o caminho para a evolução não busca os doentes e sim os dispostos. 
 
Faça terapia.