Emanuela Sousa

07/03/2021
 
Saudades de... Ser feliz 
 
Março de 2021... Viro a folha do calendário, em seguida ligo a TV. De repente algo me dispara: uma espécie de Déjà vu... A sensação de que isto já me aconteceu antes, num passado recente...
 
Mais um lockdown vem aí e pela segunda vez ficaremos presos dentro de casa... Tão pouco me lembra a solidão do isolamento que vivi (e muitos viveram) o ano passado. A sombra de 2020 ainda nos apavora, mas não teremos para onde correr, precisaremos voltar para onde viemos: para nosso interior.
 
Assim como você, também sinto raiva,  na verdade sinto uma grande revolta que cresce aqui dentro toda vez que assisto os jornais. Esfrego as mãos,  esfrego, esfrego, acentuando minha ansiedade. Vou para lá e para cá. Mas não consigo chorar,  apenas me indigno com a situação do país. 
 
Fiz um backup no meu celular. Essa foto tirada com um amigo enquanto experimentávamos pratos mexicanos há dois anos atrás,  me faz lembrar de como estavámos felizes. Sem a pandemia,  sem precisar carregar milhares de responsabilidades, nossos sorrisos eram expostos, sem máscaras os  escondendo... A foto me fez questionar:  Quando foi a última vez que fui feliz?
 
Estou há dias tentando me lembrar desde a última vez que fui feliz de verdade. O que tenho hoje são pequenos momentos de satisfação, alguns com horas marcadas para começar, outros terminam mais cedo do que o previsto.  Pequenos fragmentos no cotidiano, que ainda nos fazem abrir um sorriso,  como receber uma mensagem de alguém que gostamos ou estar em companhia de quem nos faz bem.... 
 
Impossível ser feliz em época de pandemia, impossível rir quando lembramos que o número de mortos ultrapassa mil e mais ainda quando sabemos que o presidente faz pouco caso disso... Este presidente se refere a pandemia como  "mimimi" e vou cada dia mais quero abrir um buraco e me esconder para não ver nada, nem ouvir nada. À medida que os dias passam vejo que estamos distantes da felicidade que existia antes. 
 
Levaremos anos para nos reconstruir de todo o dano que este vírus causou, em todos os sentidos, principalmente o impacto que nos fez em nossa saúde mental. 
 
Salve-se quem puder.