Bia Crispim

21/05/2021
 
À luta, companheiras/os!!!
 
Quem acompanha essa coluna provavelmente não me viu falar muito sobre questões que envolvem partidos políticos ou políticos de uma forma geral... Mas no tocante à luta contra a LGBTI+fobia no Brasil, achei justo ressaltar a grande contribuição que os governos Lula e Dilma, e consequentemente, os governos do PT deram para nossas causas. Inclusive o atual governo do RN, na figura de Fátima Bezerra que instituiu esse mês o Conselho Estadual de Políticas Públicas para LGBTI+.
 
Para constatar o que digo, reproduzo, na íntegra, uma nota emitida pela Secretaria Nacional LGBT do Partido dos Trabalhadores, na qual se atestam alguns dos ganhos, algumas das vitórias dessa comunidade, em que o PT aparece como companheiro de luta. Eis a nota:
:
 
“A população LGBTQIAP+, que já estava vulnerável antes da pandemia, agora tem suas vulnerabilidades intensificadas. Violências que se davam no âmbito do espaço público, passaram a ocorrer também com frequência na esfera privada.
 
E essas violências intensificam ainda mais a exclusão que existia muito antes da pandemia. Na ampla maioria dos casos, essas violências têm início no seio familiar, passando por manifestações de bullying na escola em razão da identidade de gênero e orientação sexual e com isso diminui as chances de inserção no mercado de trabalho, fora outras consequências decorrente da não oferta de serviços de saúdes específicos e dignos.
 
Importante destacar que o país nunca adotou uma legislação federal que protegesse as LGBTQIAP+, seja para as violências que ocorrem no dia a dia, dentro de casa ou na rua, mas também das várias agressões contra as parlamentares LGBTQIAP+ de esquerda. O que reforça a triste constatação que ainda somos um dos países mais violentos do mundo quando se refere à população LGBTQIAP+.
 
Entre tantas dificuldades, violências físicas e psicológicas, somos submetidos também a negação do direito de amar quem nós quisermos.
 
Não poderíamos esquecer o legado do PT na execução de políticas públicas de combate à violência e à discriminação contra a população LGBT no Brasil. Neste sentido, o legado do PT se confunde com a construção da Cidadania LGBTQIAP+ no Brasil. Afirmamos isso, pois foi o PT que criou programas. Essa mudança que inseriu a população LGBTI nas políticas públicas possibilitou o reconhecimento de nossa dignidade enquanto sujeitos sociais.
 
Ao mesmo tempo que houve esse reconhecimento essas mesmas políticas foram constantemente atacadas por alguns setores religiosos e conservadores que hoje estão à frente do governo federal e continuam com a propagação de seu discurso de ódio.
 
Nesse momento da história do país, não se pode esquecer políticas públicas como o Programa Brasil Sem Homofobia, a Política Nacional de Saúde Integral LGBT; o reconhecimento dos direitos de casais de mesmo sexo no serviço público federal; a criação do módulo LGBT no Disque 100 e a realização da 1ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT. Dando continuidade a esse relato vale destacar que em 2013 o Sistema Único de Saúde (SUS) passou a contemplar o atendimento completo para travestis, transexuais e transgêneros, como terapia hormonal e cirurgias. A identidade de gênero passou também a ser respeitada, com a inclusão do nome social no cartão do SUS.
 
Em um período tão adverso que vivemos com este atual desgoverno, temos acompanhado o fortalecimento dos desmontes das políticas públicas para populações mais vulneráveis, em especial LGBTI+, numa clara definição institucional pautada no negacionismo, na lgbtfobia e na morte de milhares de pessoas como escolha de ação governamental.
 
Por fim, a tarefa das LGBTIs+ do PT e de todo o Brasil, é continuarmos na luta: pela vida, por comida no prato, por vacina, educação, trabalho e renda.
Basta de LGBTfobia e Fora Bolsonaro!
 
Maio é o mês de erguer nossa bandeira colorida pela vida.
 
Todos anos a população LGBTI+ faz manifestação na rua, infelizmente com a pandemia não será possível.
 
Ocuparemos as redes sociais para reafirma a importância de combater e denunciar a LGBTIFOBIA.
 
Na luta pela defesa da democracia, dos direitos, da liberdade, igualdade e dignidade. Continuaremos enfrentando esse governo que não esconde sua agenda Lgbtifóbica com ausência de políticas e ataques direto a nossa existência.
 
Nesta data simbólica permaneceremos na luta contra todos os preconceitos, a favor do amor e pela vida.
 
#17MVIDAVACINATRABALHO #FORABOLSONARO”