Liliana Borges

05/06/2021
 
 
PENHA LONGA, Candlelight Ballet…
 
 
No sábado passado, 29 de maio, tive a oportunidade de assistir um espetáculo “Candlelight Ballet: O Quebra-Nozes à Luz das Velas” realizado no Penha Longa Resort em Sintra, a cerca de 33 km de Lisboa.
 
O concerto foi à luz das velas em harmonia com a música clássica, o melhor de Tchaikovsky, ao romance e mistério em um ambiente intimista na Sala da Coroa no Palácio ao comando de um quarteto de cordas e mais a interpretação de duas bailarinas.  É exatamente como está descrito na página da Fever: “Sentirás que estás a viver um momento mágico”. É realmente encantador…
 
O Candlelight é um evento original e exclusivo da “Fever”, realizado em várias localidades no país com cenários à luz das velas em sintonia com a delicadeza da música clássica que é adaptado e adequado a cada ambiente, em alguns lugares acontece até mesmo ao céu aberto. Imaginem como deve ser lindo! 
 
Como por aqui tudo nos reporta uma história, em 1355 o Frei Vasco Martins funda uma ermida no lugar de “Pera Longa”, posteriormente com o crescimento da comunidade de eremitas desta ordem criou a necessidade da compra da quinta Penha Longa, mas como eles não possuíam recursos para a aquisição recorreram ao rei, D. João I, o qual adquiriu em 1389 e em seguida fez a doação. 
 
Em 1390 lançado a pedra fundamental e mais adiante, construído o Mosteiro Penha Longa, este era um convento masculino da Ordem de São Jerônimo, cabe destacar que foi a primeira casa e sede desta Ordem em Portugal, pois em 1400 uma Bula do Papa Bonifácio IX autorizou a fundação canônica e jurídica do Mosteiro.
 
Penha Longa significa rocha longa ou extensa, reza a lenda que sob a rocha havia um tesouro, assim, uma senhora que desejava ser rainha passou sua vida subindo ao topo e atirando ovos abaixo, acreditava que traria sorte e seria revelado o tesouro. Nunca o encontrou, mas ela teve uma vida longa, feliz e saudável, assim, percebeu que toda a riqueza do reino não a faria feliz como ela era.
 
Por muito tempo os monges utilizavam este lugar para meditação que se tornou um santuário com o privilégio da exuberante natureza a sua volta e, ao longo dos séculos nesta região houve inúmeros acontecimentos que ficaram registrados na história portuguesa, como também, a bela arte está presente de acordo com o estilo de cada período.
Uma curiosidade é que o Rei D. Manuel em 1517 determinou a construção de um palácio, jardins, fontes com toda a riqueza e suntuosidade da época e, por lá realizavam muitos eventos festivos. Entretanto havia uma parede que separava o palácio do mosteiro, pois a Igreja acreditava que este último era um lugar profano, mas é de conhecimento que existiam passagens secretas entre as edificações…
 
Na altura da extinção das ordens religiosas em Portugal, em 1834, o Juiz de Fora e do Cível de Sintra tomou posse do Convento e em 1836 a propriedade foi rematada em hasta pública pelo primeiro Conde, Marquês e Duque de Saldanha, João Carlos de Saldanha de Oliveira e Duan, ao longo de sua história teve vários proprietários, até 1963 que o Convento entrou na posse do Dr. Francisco Correia de Campos e atualmente funciona como Hotel, Penha Longa Resort.
 
Este Resort está inserido em belíssimos jardins em harmonia com mais uma porção de história portuguesa, e ainda, possui renomados restaurantes e chefs agraciados com Estrela Michelin, além de tudo isto realiza frequentemente eventos culturais.
 
O “Candlelight” foi a razão que me levou a conhecer um pedacinho desta bela localidade, em plena Serra de Sintra em uma propriedade que remonta ao século XIV…
Simplesmente ESPETACULAR…