Emanuela Sousa

18/07/2021
 
Mais do mesmo? 
 
 
"Não seremos mais os mesmos". Tenho escutado com frequência essa frase já há um tempo.  E de verdade, isso de certa forma me intriga, me interroga com frequência,  como também me preocupa se ainda sou a mesma de fevereiro de 2020.
 
Um ano e quatro meses de pandemia de passaram,  e de lá pra cá o cenário do mundo mudou, nossas vidas mudaram. Mas, a pergunta principal de tudo isso é se você ainda é o mesmo depois desse furacão que passou pelo mundo.
 
Alguns disseram que ficaram loucos, outros correram para a terapia,  descobrindo o quão eficaz ela é, inclusive alguns se perguntaram porque não tinham feito isso antes. Outros se reinventaram e fizeram da crise uma oportunidade, ampliaram seus dotes. Logo, me pergunto e eu? O que fiz? 
Me vem uma única resposta em  mente: "me joguei nos livros".  Mas também escrevi mais do que nunca, fiz atividade física, continuei a psicoterapia, maratonei séries, comprei livros novos, publiquei, adotei o hábito de abrir um vinho aos sábados, entrei para a coluna de jornal, assisti inúmeros documentários... Enfim. 
 
Mesmo assim, diante de tantos canais que me levaram ao conhecimento mútuo, eis que a insegurança desperta e grita... Ainda temo ser a mesma de antes. Tenho medo de não ter evoluído o bastante, continuar vendo o mundo com os mesmos olhos dos anos passados. (Dentro de uma bolha.) Medo de não ter aproveitado a quarentena o suficiente para acentuar meu processo de desconstrução.
 
Tenho medo de não estar aprendendo.  A passagem do tempo assusta, o mundo está veloz, levantam novas bandeiras e para isso tivemos um tempo precioso para evoluirmos como sermos seres humanos... Como praticar a empatia, acentuar a compaixão que estava adormecida, olhar o mundo sob uma nova ótica e, se puder, fazer algo para a melhora dele...
 
Bem, agora me fale de você. O que mudou? O que aprendeu nesse tempo? Espero que tenha aprendido muito... 
 
Se você considera o mesmo depois de todo esse tempo de pandemia, não está aprendendo nada de positivo.... 
 
Posso ser sincera? Tenho más notícias.