Andreia Braz

07/12/2021

 

Um domingo diferente

 

O amigo: um ser que a vida não explica

Que só se vai ao ver outro nascer

E o espelho de minha alma multiplica

Vinicius de Moraes

 

Durante alguns anos, praticamente não tive lazer nos finais de semana, estava trabalhando na maioria das vezes, mas há algum tempo venho tentando conciliar as atividades laborais com o descanso necessário para repor as energias e fortalecer minha saúde física e mental. Às vezes, bate aquele sentimento de culpa pelo tempo perdido, mas logo essa sensação dá lugar a outro pensamento: vou aproveitar o tempo de que disponho hoje da melhor forma possível, sendo responsável com o meu trabalho, mas também cuidando e mim e focando na minha saúde física e mental. Isso inclui, também, passar mais tempo com amigos e familiares. Afinal, os momentos de lazer significam muito mais do que apenas diversão, podem trazer inúmeros benefícios à saúde física e mental. Além disso, ajudam a fortalecer laços de afeto, amizade, entre outros benefícios, a depender do tipo de lazer que se busca e/ou se pode ter.

E foi graças a essa mudança de postura que aceitei dois convites para um mesmo dia. Explico. Denise Araújo me convidou para assistir um filme e eu já tinha um compromisso com Milena Carvalho naquela tarde de domingo. Detalhe: eu e Milena não nos conhecíamos pessoalmente até então, nossa comunicação era basicamente pelas redes sociais. Tentamos nos encontrar algumas vezes, mas não deu certo. Por sorte, os dois encontros aconteceriam no mesmo lugar. Fui ao cinema com Denise e chamei meu amigo Cláudio Everton para nos acompanhar. Ele estava com muito trabalho a fazer, mas precisava sair um pouco. Fomos assistir um dos filmes exibidos no Varilux, festival de cinema francês que começou no último dia 26 de novembro e vai até o dia 08 de dezembro, no Natal Shopping. 

Não sabíamos sequer o nome do filme, mas eu falei pra Denise que isso não era motivo de preocupação porque até hoje nunca me decepcionei com nenhum filme exibido pelo Varilux. Eles escolhem o melhor do cinema francês.  O festival, criado em 2010 pela Unifrance, com apoio da Embaixada da França no Brasil e da Delegação das Alianças Francesas, é considerado o maior evento de filmes franceses fora da França, e o Brasil já soma mais de um milhão de espectadores ao longo das edições. A programação desse ano inclui drama, romance, comédia, animação e documentário. Gosto de todos os gêneros, principalmente os dramas e as comédias românticas. Desde que Ceiça Fraga me apresentou o festival, nunca mais deixei de prestigiá-lo. Aliás, é uma pena que esse ano ela não possa me acompanhar em algumas sessões. Antes da pandemia, ela já chegou a maratonar três filmes num dia. Que saudade das nossas sessões de cinema! Quem sabe em 2022, amiga. Dias melhores virão. 

Voltemos a nossa aventura pré-filme. Chegamos atrasados no cinema porque Cláudio errou o caminho e, para completar, ainda entramos no estacionamento errado. Mas nossa amiga Denise, com toda gentileza que lhe é característica, estava nos esperando com lanche (salgadinho e chocolate), água e os nossos ingressos devidamente comprados. Quem tem amigos, tem tudo. Entramos correndo na sala e conseguimos acompanhar o filme, apesar dos minutos de atraso. Detalhe: esqueci que eles não exibem trailers no festival, ou seja, perdemos o início da trama. Mesmo assim, deu pra acompanhar a história e se emocionar com “Uma pequena lição de amor”, estrelado por Laetitia Dosch e Pierre Deladonchamps e dirigido por Eve Deboise. Ano passado, assisti à comédia romântica “Notre dame” com Pierre Deladonchamps. Irretocável.

Terminada a sessão, convidei Denise e Cláudio para me acompanhar até o café onde encontraria Milena, que também havia ido ao cinema com o filho Joaquim. A afinidade entre o grupo foi imediata e poucos minutos depois nossas gargalhadas ecoavam pelo shopping. Foi aí que surgiu a ideia de irmos a um barzinho. Depois de deparar com alguns lugares fechados, fomos ao Tamo Junto, onde curtimos música ao vivo e degustamos alguns petiscos.

Denise e Milena têm muita coisa em comum e fiquei superfeliz de as duas terem se conhecido, elas amam bichos e lutam pelos direitos dos animais, além de serem feministas e amantes das artes. Aliás, Milena é cantora e compositora, embora esteja atuando no ramo empresarial no momento. Denise é vegetariana e Milena, vegana. Cláudio se deu superbem com as duas. Conexões.

Quando cheguei em casa, depois de trocar mensagens com as meninas, fiquei algum um tempo refletindo sobre a importância de momentos como aqueles, na alegria/privilégio de estar cercada de pessoas que amo, que me fazem tão bem. Pessoas que fazem a vida valer a pena, apesar dos pesares. Lembrei, também, de uma importante lição de George Eliot (pseudônimo de Mary Ann Evans): “A amizade é o conforto indescritível de nos sentirmos seguros com uma pessoa, sem ser preciso pesar o que se pensa nem medir o que se diz”. 

Fui dormir feliz e com a certeza de que teria uma semana muito mais tranquila e produtiva porque estava abastecida de afeto para os dias vindouros e seus muitos desafios. Aquele convite para o cinema no começo da tarde foi a segunda melhor escolha que eu poderia ter feito naquele dia. A primeira foi aceitar o café com Milena.

Agora é esperar um novo encontro com Milena, em Natal ou em Currais Novos, e uma viagem ao Seridó com meu amigo Cláudio Everton, onde iremos visitar os amigos do Bar do Vento, Neguin, Zito, Franciegno, em Acari; os amigos de Jardim do Seridó, Iago, Hortência e Laísa; e as amigas de Currais de Novos, Milena Carvalho e Janielly Raiake (que é natalense, mas está morando com o esposo e a filha na terra da scheelita, onde atua como professora de música na rede estadual de ensino). Não vejo a hora de reencontrá-la e conhecer a pequena Clarice. De lá, talvez ainda estiquemos a viagem até Campina Grande. Aliery, Adjael, Jéssyca, Rodrigo, Gabi, Melissa e Ihago, estamos com saudades e contando as horas pra ver vocês. Vamos conversar bem muito, tomar cerveja e dar uns rolés pela cidade. Prometo não trabalhar dessa vez.  

Voltando ao meu domingo. Que venham outros filmes, outros cafés e muitos sorrisos e abraços. Celebremos a alegria do reencontro! Afinal, como disse Abraham Lincoln: “A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades”.