Emanuela Sousa

14/01/2022
 
Perder o encanto, para encantar-se novamente. 
 
Outro dia, no meio da Barão de Itapetininga ouvi alguém dizer: "perder o encanto é um caminho sem volta!"  Essa frase ficou borbulhando em minha cabeça o dia todo, voltei para casa pensando no quanto faz sentido! Não precisa pensar muito. 
 
Imagine só, você vai a um restaurante com frequência. Aprecia o ambiente, o preço é acessível, o atendimento é nota dez, você, quando pode, deixa gorjeta aos garçons que te servem. Então convida um amigo para conhecer. Porém tudo vai por água a baixo... Basta um simples comentário. Diz que já visitou a cozinha deste restaurante... E a cena dele é deplorável. 
 
Adeus encanto. Você nunca mais irá passar na porta desse restaurante novamente... Talvez até volte, mas perderá a graça. Não fará sentido estar ali. 
 
Em um outro caso. Seu ídolo (a) é um arraso. Canta e encanta multidões. Sempre simpático, vai à entrevistas, fala coisas inteligentes, participa de ações sociais. Num outro dia vê seu nome envolvido em escândalos: traições, fraudes e até em caso de pedofilia. Uma morte para quem o tinha como referência. 
 
Nunca mais tu o verá com outros olhos. Acredite. Mesmo que você ainda encontre uma brecha para sua defesa, diga adeus ao brilho sublime que tinha em seus olhos. 
 
Essas decepções que temos com coisas e pessoas fazem parte de uma série de questionamentos. O encantamento é uma vez só. Uma vez que o perde-se, passamos a questionar, duvidar e até ter uma discreta desconfiança sobre o assunto. 
 
Por outro lado, essas decepções abrem brecha para descobrirmos outros ares, vivermos outras paixões. Não há porque tanto desespero quando percebe-se que o brilho dos olhos se esgotou. O encanto vem outrora, quando menos esperamos. 
 
Quando menos se espera, já é outro ambiente, outro ídolo, outro amor, a vida volta com outras cores. 
 
Viver em encantamento é fundamental, mas desencantar-se de algumas ilusões é necessário.