Ana Carolina traz a Natal o eletrônico e pop #AC

19/09/2014


Exatos três anos depois de sua última apresentação em terras potiguares, a cantora e compositora Ana Carolina está de volta a Natal. Completando quarenta anos de vida, sendo quinze de carreira, a mineira de Juiz de Fora/MG sobe ao palco do Teatro Riachuelo no próximo domingo (21) para mostrar seu novo trabalho – o show #AC. O espetáculo leva o nome do álbum homônimo, lançado pela artista em 2013. A apresentação faz parte da turnê iniciada em janeiro. De lá para cá, a artista já viajou para dezenas de cidades do Brasil e já se apresentou em Portugal e Angola.

Apesar de ser baseado no último disco, o show não se limita às canções de #AC. No espetáculo, Ana Carolina faz releituras de sucessos da carreira e interpreta outros artistas, indo de Belchior a Calcinha Preta. Inclusive, a versão para “Coração Selvagem”, sucesso do cantor cearense de 1977, promete ser um dos pontos altos do show. Dona de um mais prestigiados graves da MPB, Ana Carolina tem emocionado e conquistado ainda mais o público com a performance.

O combustível do repertório, no entanto, é o pop eletronicamente conectado em que está inserido o novo projeto. Noutro momento do espetáculo, Ana coloca na mesma batida os versos de Dorgival Dantas e MC Papo, compositores de “Você não vale nada” e “Piriguete”, respectivamente. A produção, idealizada pela cantora e dirigida por Monique Gardenberg, vai ainda mais longe, com a interpretação da sensual “Fire”, de Bruce Springsteen.

O resgate dessas canções amplia o caráter de #AC, disco que salientou a veia pop da cantora. Ao contrário dos últimos trabalhos, onde o tom intimista prevalecia, o show tem início com a dançante “Poledance”, música que retrata o dia-a-dia da moça do bem que, da Vila Vintém ao Calçadão, só quer ganhar o pão. O groove eletrônico continua ao som de “Esperta” e “Bang Bang 2”, por exemplo. E é aí que Ana se solta na pista e mostra a faceta nunca antes escancarada. Ela grita: “essa noite eu quero dançar; essa noite eu vou derreter”.

A banda que acompanha Ana Carolina reforça o discurso de suas canções. Junto à cantora, está o DJ Mikael Mutti, fazendo som a partir de controle de video games, scratches e outros efeitos que tornam a batida ainda mais eletrônica. Seus vizinhos são Edu Krieger, no baixo, e Pedro Baby, na guitarra. Além deles, o percussionista Leo Reis comanda a bateria, enquanto o tecladista Carlos Trilha dá seu tom. O lado percussionista da cantora também aparece no espetáculo, com o número instrumental de pandeiros. Em outro momento da carreira, ela diria: “tô batendo no pandeiro pra não bater em você”, para mostrar que é bamba.

Outra característica de #AC é a temática sexual. Do início ao fim, a libido está em toda parte. Nessa toada, Ana relembra as provocativas “Eu comi a Madona” e “Cantinho”, músicas do álbum “Dois Quartos”.

Apesar de navegar nas águas do oceano pop, a cantora de baladas emerge com o seu potente vozerão entoando sucessos como “Nua”, “Pra rua me levar” e “Uma louca tempestade”. O estouro radiofônico “Quem de nós dois” está presente também, assim com o mais recente single, “Combustível”. No espetáculo, Ana também dá a divertida “Resposta da Rita”, música que rebate “A Rita”, canção que Chico Buarque lançou no longíncuo ano de 1966, em uma de suas primeiras composições.

Por fim, a cantora promete sacodir o ambiente mostrando que sua “Garganta” ainda estranha. Ela também canta o hit “Elevador”. O bis que encerra o espetáculo, por sua vez, é composto pela interpretação de “Eu sei que vou te amar” e “É isso aí”.

Com esses ingredientes, a cantora, que está prestes a gravar o sétimo DVD, se apresenta neste domingo no Teatro Riachuelo, que deve receber mais uma vez um grande público.

 

SERVIÇO:

Ana Carolina em “#AC, o Show”

Domingo (21), às 21h, no Teatro Riachuelo

Vendas: Bilheteria do teatro e Ingresso Rápido

Valores: Entre R$ 180,00 (inteira – Frisas) e R$ 270,00 (inteira - Camarotes)

Fonte: Tiago Rebolo