Oscar 2019: Surpresas, diversidade, emoção e "Green Book" como melhor filme

25/02/2019

Por: Cefas Carvalho
 
Um Oscar com surpresas, confirmações, emoção e muita diversidade. Assim foi a edição 2019 da festa da Academia de Artes e Cinema de Hollywood, com a premiação mais famosa (e badalada) do cinema.
 
Desbancando os favoritos "Roma", "Pantera Negra" e mesmo "Bohemian Rhapsody", a comédia dramática "Green Book", sobre um pianista negro e seu motorista, venceu como melhor Filme. O longa também levou os Oscars de ator coadjuvante e roteiro otiginal.
 
Como melhor ator, Rami Malek, que interpreta o roqueiro Freddie Mercury em "Bohemian Rhapsody", era o favorito e em seu discurso enalteceu o caráter de "gay filho de imigrante" do ícone que interpretou.
 
Já na categoria de atriz, a inglesa Olivia Colman, de "A favorita", desvancou a, sem trocadilhos, favorita Glenn Close, por "A esposa".
 
Lady Gaga, ícone do pop, concorria como atriz por "Nasce uma estrela", mas venceu na categoria de canção, por "Shallow", que se tornou com o Oscar, a canção mais premiada da história. A interpretação dela juntamente com seu companheiro de atuação e diretor do filme Bradley Cooper foi um dos pontos altos da festa.
 
Entre as marcas em relação à diversidade estão as vitórias de "Pantera negra" nas cetegorias de Direção de Arte e figurino, com duas mulheres negras vencedoras (e já haviam sido as primeiras negras indicadas).
 
Os dois coadjuvantes também são negros, o ator Mahershala Ali (por ""Green Book") e Regina King (por "Se a Rua Beal falasse").
 
O diretor mexicano Alfonso Cuarón brilhou na premiação, levando o Oscar de direção (que ele ganhara em 2015 por "Gravidade"), melhor fotografia e Filme Estrangeiro.
 
O filme com mais Oscars foi "Bohemian Rhapsody", com quatro, seguindo de "Pantera Negra", "Roma" e "Green Book", com três.