"Atrapalha a todos nós" dizem secretários de saúde sobre fala de Bolsonaro

25/03/2020

Por: Redação PN
 
Os secretários de Saúde do Nordeste e a associação brasileira de imprensa, reagiram ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite desta terça-feira (24). Ambos se disseram estarrecidos pela fala do chefe do Executivo. Bolsonaro atacou a imprensa, os governadores e disse atacou a quarentena que os brasileiros estão fazendo.
 
"Percebemos, com espanto, os graves desencontros entre o pronunciamento do Presidente e as diretrizes cotidianas do Ministério da Saúde. Esta fala atrapalha não só o ministro, mas todos nós!", disseram os secretários de Saúde do Nordeste.
 
A fala do presidente, vai completamente contra tudo o que está sendo pedido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mais respeitados líderes mundiais e o próprio secretário da Saúde de seu governo.
 
"Assistimos estarrecidos ao pronunciamento em cadeia nacional do presidente Jair Bolsonaro, onde desfaz todo o esforço e nega todas as recomendações para combate à pandemia do coronavírus", iniciaram assim a carta endereçada ao presidente.
 
Associação Brasileira de Imprensa (ABI) também se pronunciou. "Na noite desta terça-feira, o país assistiu, estarrecido, a um pronunciamento em que o presidente Jair Bolsonaro minimiza os riscos da pandemia do Covid-19 e vai na contramão de todas as medidas recomendadas pelas autoridades de saúde, tanto do Brasil, como do mundo. Tenta, também, responsabilizar a imprensa pela justificada apreensão que toma conta de todos", declarou a ABI.
 
"Num momento em que milhares de vidas são ceifadas em outros países e que o coronavírus chega a nosso país de forma ameaçadora, fazendo as suas primeiras vítimas fatais, Bolsonaro refere-se à pandemia como uma 'gripezinha' ou um 'resfriadinho' e, ainda mais grave, recomenda que as medidas preventivas não sejam adotadas pelos brasileiros. Dessa forma, contribui para que o país não se prepare para enfrentar a grave situação que estamos vivendo", continuou a nota.
 

Fonte: Congresso em Foco