Bolsonaro se reúne com governadores, baixa o tom e fala sobre ajuda financeira

21/05/2020


Foto: Bolsonaro se reúne com presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, e com governadores. Reprodução / TV Brasil
 
O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (21) que vai “sancionar o mais rápido possível” o projeto de lei de socorro financeiro a estados e municípios. Ele também disse que vai vetar o trecho do projeto que abre exceções para o congelamento de salários. Antes, porém, vai publicar um decreto para chamar concursados da Polícia Rodoviária Federal.
 
“Estamos acertando pequenos ajustes que estão na iminência de serem solucionados”, disse o presidente durante reunião com governadores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).
 
O projeto dá para as unidades da federação um pacote de R$ 60 bilhões pago em parcelas por quatro meses. Em troca, as autoridades locais terão de congelar os salários no serviço público por um ano e meio. No entanto, diversas categorias, com o apoio do governo, foram excluídas da suspensão de promoções pelo Congresso.
 
Escolhido como um dos três porta-vozes dos governadores, Reinaldo Azambuja (PSDB-MS) pediu que a primeira parcela seja paga até o dia 31 de maio e que Bolsonaro  vetasse o trecho que poderia abrir exceções para aumento salarial do funcionalismo. “Essas despesas com pessoal, se tivermos 2020, 2021, vejo quase impossível dar qualquer aumento agora. A maioria dos governadores entende, a prerrogativa é do senhor, mas o veto deste artigo é fundamental”, afirmou o governador ao abrir a reunião.
 
O tucano afirmou que o pedido é da maioria dos governadores, mas a posição sobre o reajuste não era unanimidade entre eles,.
 
Também discursaram na reunião como representantes os governadores Renato Casagrande (PSB-ES) e João Doria (PSDB-SP).

Fonte: Congresso em Foco