Cenário de pandemia pode levar 25% das escolas à falência no RN

04/08/2020


Foto: Magnus Nascimento
 
Alexandre Marinho, presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Rio Grande do Norte. estimou que até 25% das escolas particulares que se dedicam apenas ao ensino básico poderão fechar as portas em decorrência da crise, afetando toda uma rede de profissionais e serviços. O grande número de famílias afetadas financeiramente pela pandemia também fez subir o índice de inadimplência.
 
“Aumentou muito. Tem escola trabalhando com 41%, 42% de inadimplência. O aluno está fora, e alguns pais com dificuldade, então o índice está grande…. Se isso demorar mais (retomada das aulas presenciais) então a situação vai ficar mais difícil ainda”, afirmou Alexandre Marinho.
 
As aulas no ambiente físico das escolas estão paralisadas no Estado há quase cinco meses, desde o dia 18 de março, quando o Governo emitiu o primeiro decreto de suspensão dessas atividades. Mesmo com uma série de adaptações como o ensino remoto, principalmente na rede privada, profissionais e autoridades da Educação afirmam que há perda no aprendizado, e que será necessário um processo de adaptação em diferentes níveis a partir do retorno presencial.
 
“Os alunos realmente são os mais prejudicados, porque por melhor que a gente tente, as aulas remotas não são iguais às presenciais. No caso dos alunos da Educação Infantil, que estão em processo de alfabetização, é muito difícil. Vão ter que praticamente recomeçar. No outro lado temos os alunos do Ensino Médio, que vão fazer o Enem. Mesmo que o exame tenha sido adiado, precisamos avaliar esses alunos com as atividades presenciais”, ressaltou Alexandre Marinho.