“Vacina é a vitória da razão", diz Geraldo Pinto

12/01/2021

Por: Redação do PN

 

 

Nesta segunda-feira (11), o advogado Evandro Borges entrevistou o geólogo e militante político Geraldo Pinto, que fez uma avaliação do cenário político local e nacional, além de discorrer sobre os impactos causados pela pandemia. Geraldo também fez uma análise sobre sua candidatura à prefeitura de Nísia Floresta.
 
Em âmbito nacional, Geraldo Pinto atribuiu responsabilidade ao governo federal e ao Presidente da República pelo número de mortes em decorrência da pandemia. Segundo ele, a ‘irresponsabilidade’ do atual governo em relação ao tratamento das questões envolvendo o coronavírus foi um fator decisivo para o aumento da crise.
 
“O Presidente da República , em qualquer nação, sempre é uma referência. É ele que aponta um caminho positivo para a sociedade. No entanto, a partir do momento que ele tratou a pandemia como uma ‘gripezinha’, muitas pessoas não seguiram a medida do isolamento social, recomendada pelas autoridades sanitárias. Se compararmos com a Argentina, onde o presidente teve um comportamento diferente, a pandemia matou muita gente, mas não na mesma proporção que o nosso país. Portanto, o governo Bolsonaro despreza a população, como o fascismo sempre fez, salientou o militante”. 
 
Sobre a situação política e sanitária no Rio Grande do Norte, Geraldo Pinto ressalta: “mesmo sendo militante do PT, eu penso que o governo falhou na comunicação, a partir do momento que a Fátima Bezerra delegou e terceirizou as respostas acerca da pandemia à população inicialmente para a Secretaria de Educação e, depois, ao secretário adjunto. Isso gerou instabilidade na mediação entre o governo e a sociedade”.  
 
No que concerne à sua candidatura à prefeitura de Nísia Floresta, Geraldo Pinto estabeleceu um quadro de suas ações: “Nós fizemos uma campanha propositiva. O PT, em Nísia Floresta, tinha lançado apenas um candidato, em 1988; sequer tinha um diretório constituído. Infelizmente, devido à pandemia, não conseguimos unir as forças da oposição; mas eu acredito que apontamos um caminho dentro da cidade, sem fazer aquela política tradicional de compra de votos. Esse tipo de estratégia não adianta, tendo em vista que só faz reproduzir um modelo autoritário que usa a eleição somente para iludir o povo”, finaliza.
 
Assista na íntegra a entrevista acessando o link: https://youtu.be/V5Lvs81eCb0