"O ensino remoto jamais substituirá o presencial", afirma professor da UFRN

21/01/2021

Por: Redação PN

 

 

          Nesta quinta-feira (21), no jornal Potiguar Notícias - Primeira Edição, a jornalista Heloisa Macedo entrevistou Wellington Duarte, professor, economista e presidente da ADURN (Sindicato dos Docentes das Universidades Federais), que falou sobre os principais desafios para o sindicato no ano de 2021, sobretudo no que diz respeito à continuidade da modalidade remota de ensino. 

         Segundo o professor, os obstáculos referentes ao ensino remoto vão continuar em pauta nas discussões do sindicato e do meio acadêmio. Para ele, essa modalidade de ensino, aplicada neste momento de vigência da pandemia, deve ser encarada como um auxílio pedagógico, e não como processo oficial de educação.

         "O ensino remoto jamais substituirá o presencial. Na verdade, ele causou muitos problemas do ponto de vista da didática, obviamente, mas, inclusive, para a saúde de alunos e professores. Não é fácil misturar as jornadas de vida e trabalho, e as aulas remotas obrigaram a comunidade escolar a levar o trabalho para as residências, fato que, se juntando ao próprio estresse do confinamento, causou danos sérios à saude das pessoas. 

         Em relação à possibilidade da UFRN adotar o ensino híbrido neste ano de 2021, o professor ressalta: "o conselho da universidade aprovou um calendário acadêmico para este ano e, pelo menos a princípio, teremos a continuidade das aulas remotas. Em uma conversa que tive com o reitor, a posição da instituição é de adotar cautela. Em outras palavras, neste primeiro semestre ainda teremos as aulas remotas, mas, em alguns casos específicos, como aulas em laboratórios, em havendo o respeito às medidas sanitárias, a universidade poderá adotar o sistema híbrido de ensino", finaliza.