"A pandemia é o maior desafio para a Cruz Vermelha", diz Kelison Montenegro

05/05/2021

Por: Redação PN

 

 

         Nesta quarta-feira, às 6h 30, no programa Conexão Potiguar, pela Band Natal em parceria com a TV digital Potiguar Notícias, o jornalista Pinto Junior recebeu Kelyson Montenegro, presidente, no Rio Grande do Norte, da Cruz Vermelha (maior organização humanitária do mundo, presente em 190 países), que falou sobre a atuação da instituição durante a pandemia.

         Segundo o presidente, a Cruz Vermelha, a qual chegou aqui no estado ainda durante a Segunda Guerra, tem diante de si um grande desafio que é a pandemia do novo coronavírus. Para ele, a crise suscitada pelo vírus reordenou todo o cenário social e planejamento da organização, além de causar uma transformação no modo de vida das pessoas.

         Em relação às ações da Cruz Vermelha, kelyson Montenegro orienta: "o trabalho da instituição funciona a partir de um caráter preventivo; trata-se, na verdade, de uma organização enorme e que atua em diversas frentes, mas sempre mediante uma essência altruísta. Quando se iniciou a pandemia, por exemplo, atuamos em conjunto com as forças armadas, a fim de realizarmos processos de desinfecção em várias localidades. Ademais, pelo fato de sermos auxiliados pelos poderes públicos, estamos atuando em parceria com o governo do estado na distribuição de produtos de higienização, bem como na conscientização da população".

          No que se refere à origem dos recursos que são necessários para a viabilização do trabalho da Cruz Vermelha, o presidente ressalta: "não dispomos de recursos oriundos do âmbito federal ou estadual. Na verdade, pelo fato de não podermos ministrar os nossos cursos, devido às medidas restritivas estabelecidas pelo governo, os nossos recursos atualmente são provenientes a partir da parceria com o supermercado Rede Mais, no momento em que o cliente faz a compra do produto e é gerado um 'troco'. De qualquer forma, estamos tentando nos adaptar a esse momento, oferecendo às pessoas cursos a distância (EAD), mas a adesão ainda não é satisfatória", finaliza.

 

Para assistir a´entrevista, acesse o link: https://youtu.be/Vi4oGYuho_A