"Os trabalhadores do sistema de abastecimento são guerreiros", diz Ricardo André

10/05/2021

Por: Redação PN

 

 

         Nesta segunda-feira, no jornal Potiguar Notícias - Primeira Edição, o advogado Evandro Borges entrevistou Ricardo André Rebouças, presidente do SINDÁGUA/RN (Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgotos e Meio Ambiente no Estado do Rio Grande do Norte), que falou sobre as particularidades da instituição, além da sua atuação neste período de crise pandêmica.

         Segundo o presidente, que também é funcionário do setor médico da CAERN há 26 anos, sua ascensão ao comando do sindicato se deu após duas tentativas de êxito no processo eleitoral da instituição. Para ele, o sindicato se constitui como uma entidade sólida e eficiente, a qual presta um serviço que estabelece uma ligação entre a Companhia de Águas e a população, bem como na mediação de acordos coletivos com os trabalhadores da CAERN e dos SAAEs (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) de diversos municípios.

         Em relação ao piso dos trabalhadores desse setor, sobretudo depois da lei que determinou o 'congelamento' dos salários dos servidores públicos por dois anos, o sindicalista ressalta: "na verdade, essas empresas que eu citei não precisam do governo ou prefeituras para serem geridas, tendo em vista que possuem recursos próprios. No entanto, perante os gestores públicos, sempre demonstramos a importância dos trabalhadores dos SAAEs, da CAERN e de quaisquer empresas, uma vez que seus desempenhos tendem a crescer quando se sentem valorizados. Ademais, é preciso ratificar que esses trabalhadores das empresas de saneamento já deveriam ter sido vacinados contra o coronavírus, na medida em que não pararam de trabalhar em nenhum momento, o que significa dizer que se expuseram a um sério risco de contaminação".

         No que se refere à atuação dos profissionais dos sistemas de abastecimento de água neste período pandêmico, Ricardo André salienta: "na CAERN, tivemos muitos companheiros que perderam suas vidas durante a pandemia, bem como em alguns SAAEs espalhados pelo estado. Nesse sentido, essas empresas, felizmente, têm ouvido nossos apelos no que tange à preservação dessa categoria, que é formada, sem dúvida, por 'guerreiros'. Em outras palavras, a sociedade precisa ter orgulho dessas pessoas que cumprem, de fato, um trabalho de abnegação", finaliza.


Para assistir à entrevista, acesse o link: https://youtu.be/7ooITchPsg8