Câmaras da Grande Natal mostram lentidão em debater problemas metropolitanos

11/05/2021

Por: CEFAS CARVALHO
 
 
Considerando que o Poder Legislativo Municipal está mais próximo das demandas da população, é fundamental responder, de forma integrada, aos principais problemas que se apresentam para a Região Metropolitana de Natal, que compreende em sua formação original, oito municípios conurbados entre si e na atual formação, quinze municípios.
 
Além de Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Macaíba e Extremoz, também estão incluídos Arêz, Ceará-Mirim, Goianinha, Ielmo Marinho, Maxaranguape, Monte Alegre, Nísia Floresta, São José de Mipibu, Vera Cruz e Bom Jesus.  Pautar a Agenda Metropolitana, tratando das funções públicas de interesse comum, é um grande desafio para as Câmaras Municipais, sobretudo as dos municípios maiores. Existe no mundo político e entre a população a expectativa que tanto prefeitos como presidentes de legislativos municipais assumam a iniciativa neste sentido.
 
Contudo, já chegando á metade do ano de 2021, percebe-se uma certa lentidão em dar seguimento aos encaminhamentos e necessidades.
 
No começo do ano, os presidentes de Câmaras dos maiores municípios chegaram a ensaiar uma união e aceleração de projetos em comum.
 
O presidente da Câmara Municipal de Parnamirim, Wolney França em janeiro defendeu políticas voltadas à Região Metropolitana. “A Região Metropolitana de Natal é hoje a quarta maior aglomeração urbana do Nordeste, atrás apenas das regiões metropolitanas de Recife (PE), Salvador (BA) e Fortaleza (CE) formando a décima nona maior região metropolitana do Brasil. Então precisamos de políticas públicas e os legislativos fortalecidos onde vivem 40% da população potiguar.  Chegou a hora de fortalecer setores como transporte público, saúde, segurança e limpeza pública”, explicou.
 
“Já conversei com o presidente da Cãmara de Natal Paulinho Freire sobre estimular a troca de experiência entre os diversos legislativos municipais, por meio de um calendário de seminários, em busca sempre de mais eficiência administrativa e economicidade nas Casas Legislativas.", assinalou Wolney.
 
Paulinho foi eleito presidente da FECAM-RN, Federação das Câmaras Municipais, e também prometeu agilizar a união de forças em prol da Região Metropolitana.
Contudo, seja por acomodação, pelo quadro da pandemia do Covid-19 ou por razões paroquianas e políticas, não foram divulgados quais encaminhamentos e avanços no sentido da RMN as Câmaras em união desenvolvaram.
 
Havia a expectativa também de que a presidente da Câmara de São Gonçalo, um dos municípios que mais crescem no RN, Valda Siqueira, dialogasse com os colegas presidentes de Câmaras, mas isso também pouco ou nada vem acontecendo.
 
A reportagem do Portal PN ouviu o ex-vereador em Natal George Câmara, especialista na questão metropolitana e um dos criadores do Parlamento Comum da Região Metropçolitana. "Considerando que o Poder Legislativo Municipal está mais próximo das demandas da população, é fundamental responder, de forma integrada, aos principais problemas que se apresentam para a Região Metropolitana de Natal", disse.
 
"Pautar a Agenda Metropolitana, tratando das funções públicas de interesse comum, é um grande desafio para as Câmaras Municipais, sobretudo as dos municípios maiores", ressaltou.