Fativan Alves: “Quem é o genocida de Parnamirim?”

09/06/2021


 
 
Um questionamento surpreendeu na 53° sessão ordinária do 1º período legislativo da Câmara Municipal de Parnamirim, na manhã da terça-feira (08), e está dando o que falar no município e no Rio Grande do Norte. A vereadora Fativan Alves (PV) solicitou uma parte ao vereador Gabriel César (PSL), que discorria sobre críticas à condução na saúde pública da atual administração do Município, onde a parlamentar reforçou a prioridade que essa área essencial deve ter e diante de tantas polêmicas envolvendo sua gestão, trazendo sua indignação com a atual administração da cidade, fazendo uma comparação com as críticas existentes no país com relação ao governo federal. 
 
"Fala-se muito, Vereador Gabriel, sobre o governo federal, que é genocida, mas vamos trazer esse assunto para Parnamirim. Quem é o genocida em Parnamirim? porque a população chega na UBS e não tem médico e volta para casa doente, sem atendimento. Um outro paciente, como o senhor relata, chega no CEO, que deveria ter o atendimento, sai chorando com dor de dente, e volta para casa. Semana passada, eu trouxe aqui o caso de uma paciente que quase perdeu o bebê, que, graças a Deus, ainda continua lá, que Deus abençoe que continue, dessa pessoa que não teve atendimento na maternidade (Divino Amor) por falta de uma ultrassonografia para diagnosticar o que é que aquela paciente tinha. Ela voltou sangrando para casa, ia passar o final de semana todinho sangrando, se não tivesse uma intervenção de um parlamentar. Então, pergunto mais uma vez: quem é o genocida de Parnamirim?", indagou.
 
Para ela, é inadmissível a forma com que a Prefeitura de Parnamirim trata a população, e reforça, mais uma vez, a pergunta: “Quem é o genocida da história? Quando a gente vai ver a questão do galpão (da saúde) que está sendo tratado aqui, que existe lá um aparelho de raio-x que num período desse, de pandemia, que é um exame de extrema importância para população do nosso município e está embalado dentro do galpão da saúde. Aí a gente vai final de semana em Pirangi praia onde tem ambulância pra socorrer os pacientes e não tem motorista para conduzir aquele veículo. 
 
Ela observa ainda que Parnamirim arrecada mais de 500 milhões de reais e a gente vê deputado, pelas mídias, deixando dinheiro para nossa cidade. Mas onde está? A gente também encontrar, então temos a questão dos Kits merenda, já que o assunto também é fome e fome mata. Parnamirim recebeu quase 4 milhões de reais e não foram gastos 2 milhões de reais, porque só foram entregues 2 kits aos estudantes. Cadê o dinheiro do povo que está com fome?  E diga-se de passagem foram alimentos entregues vencidos e com gorgulho. Então, vamos falar só sobre o presidente? Vamos conversar sobre o que está acontecendo a nossa cidade”, esbravejou.
 
Por fim, Fativan Alves disse que não era n necessário um vereador alertar para essas denúncias para que a população da cidade tenha atendimento digno e ter raio-x e de ultrassonografia funcionando. “Precisa um parlamentar sair de sua cadeira pra mostrar isso? Mas a gente vai sair e vai ao extremo Parnamirim, porque não é brincadeira o que está acontecendo. Chegou denúncia no nosso gabinete de paciente que ficou quase 30 dias internada e terminou no hospital Walfredo Gurgel toda infeccionada e o médico de lá disse que não sabia como ela estava viva”.