Números de violência contra mulher aumentam no RN; Veja como denunciar o crime

05/07/2021

Por: Jessyanne Bezerra
Foto: Reprodução

 

Os casos de violência contra a mulher cresceram 29% no Rio Grande do Norte apenas no primeiro semestre de 2021. Na última semana de junho, duas mulheres foram mortas; os companheiros são os principais suspeitos do crime. Outra mulher foi agredida em uma festa de aniversário.

Ao todo, até o dia 13 de junho, o primeiro semestre de 2021, o RN já registrava 2.355 casos de violência contra a mulher. 

Segundo dados da coordenadoria de estatística da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), os casos de violência contra mulher aumentaram  29% no primeiro semestre de 2021 no Rio Grande do Norte em comparação com o mesmo período do ano passado.

Ainda segundo levantamento da Sesed, entre janeiro e junho de 2021, 38 mulheres foram mortas em todo o estado; e desse total, oito casos foram classificados como feminicídio – que é o assassinato de mulher por violência doméstica e/ou de gênero. O Rio Grande do Norte também registrou mais de 2.600 casos de violência doméstica que não resultaram em mortes.

Os números da Sesed dão conta ainda do quadro da violência doméstica no estado. No primeiro semestre deste ano, foram 2.617 registros, contra 1.814 no mesmo período do ano passado. O comparativo aponta um aumento de 44,3% na quantidade de casos em 2021 em relação a 2020. Já quanto a estupro feminino, foram 202 apenas nos cinco primeiros meses deste ano, e 2.510 registros de ameaça.

No ano passado, atenta ao contexto de isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus, em que as vítimas poderiam estar em maior convivência com seus agressores, a Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte (DPE/RN) fortaleceu sua rede de atendimento e ampliou os canais para que as vítimas pudessem acessar os seus direitos junto a instituição. Entre os canais abertos, estão linhas de Whatsapp exclusivas para atendimento das vítimas em Natal, Parnamirim e Mossoró.

A DPE/RN criou ainda em seu site, www.defensoria.rn.def.br, o espaço denominado “Juntas – Justiça e Atendimento para elas” que permite, por meio de um formulário específico, o acolhimento dos relatos e a abertura de atendimento para as vítimas de violência doméstica e familiar. As demandas enviadas pelo site são destinadas diretamente ao Núcleo de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (Nudem) para que sejam analisadas e devidamente respondidas. 

 

Em caso de violência contra a mulher 

Em casos de violência doméstica, familiar ou sexual a vítima deve sempre buscar ajuda. Se precisar de atendimento médico, os equipamentos de saúde devem ser acionados em primeiro lugar, porque a depender da natureza da violência, existem medidas emergenciais a serem tomadas:

 

  • Disque 180, referente à Central de Atendimento à Mulher, principal canal de denúncia da rede nacional de enfrentamento à violência contra a mulher.

  • As denúncias podem ser realizadas nas Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (DEAM) especializadas no suporte a vítimas de violência de gênero e direitos da mulher. Na ausência de uma Delegacia da Mulher próxima, o registro pode ser realizado em qualquer delegacia, e a vítima tem direito a atendimento prioritário. Acesse o link clicando aqui.

  • Os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e de Referência Especializado em Assistência Social (CREAS) também atuam na Rede de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres.

 

Atenção: para acionar o sistema de justiça criminal, é importante que sejam apresentadas provas materiais das agressões sofridas. Áudios, fotos, vídeos ou testemunhas das agressões, se existirem, podem ser fundamentais para garantir os direitos de proteção à mulher e as responsabilizações penais cabíveis ao agressor.

 

O Sinal Vermelho

O "Sinal Vermelho" é um sistema de denúncia idealizado pelo Conselho Nacional de Justiça e a Associação dos Magistrados Brasileiros em que as vítimas de violência contra a mulher podem ir até as farmácias e fazer uma denúncia de agressão apresentando o símbolo. O símbolo consiste em um “X” em vermelho desenhado na palma da mão que pode salvar vítimas de violência.