RN deve exportar 300 mil toneladas de frutas este ano; Melão é carro-chefe

25/09/2021


Foto: Canindé Soares
 
De acordo com o Boletim de Comércio Exterior, informativo anual do Sebrae/RN, que faz uma análise detalhada do comportamento das exportações e importações, a venda de melões frescos para o exterior, que tem forte influência na balança comercial, teve uma queda de 18,5% em 2020, atingindo um total de US$ 95,2 milhões. Em 2019, as exportações da fruta somaram quase US$ 117 milhões.
 
Os produtores não estimam um crescimento em relação ao ano passado, quando mandaram aproximadamente 300 mil toneladas para o exterior – quase metade pelo Porto de Natal-, movimentando cerca de R$ 750 milhões, segundo o Comitê Executivo de Fruticultura do Rio Grande do Norte (COEX). A tendência é que os números se mantenham estáveis.
 
Mesmo assim, segundo ele, a expectativa é animadora, dadas as circunstâncias da crise sanitária provocada pela pandemia da covid-19. “A safra vem cheia de expectativas de uma retomada de mercado, por conseqüência do abrandamento da covid-19”, disse.
 
O Rio Grande do Norte é líder na produção de melão,  carro-chefe da fruticultura potiguar. Junto à melancia, ao mamão, a banana e a manga, forma o top 5 das frutas mais produzidas. Cerca de 40% das exportações de frutas do país saem do Rio Grande do Norte e a atividade chega a gerar até 20 mil empregos diretos. “Mas o foco mesmo são os melões e melancias, que constituem, aproximadamente, 300 mil toneladas por safra”, informou o presidente do Coex. “Temos uma estimativa de movimentar R$ 750 milhões para os produtos exportados oriundos de nossa região, enviados entre os portos de Natal e Fortaleza”, prevê.