“Tomar vacina pra quê?”, questiona Bolsonaro

13/10/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: oglobo.globo.com

 

Nesta quarta-feira, em entrevista à Rádio Jovem Pan, o presidente Jair Bolsonaro voltou a se posicionar em relação ao processo de vacinação, ratificando que não vai mais tomar qualquer imunizante. De acordo com o atual chefe do executivo federal, que é um crítico das vacinas que estão sendo aplicadas no Brasil, “novos estudos” o fizeram tomar essa decisão. 


Com essa declaração, Bolsonaro, o qual sempre assumiu uma postura de deboche contra as vacinas da Coronavac e da Pfizer, descumpre a promessa que havia feito, quando ressaltou que seria imunizado somente quando toda a população já estivesse. “No tocante à vacina, eu decidi não tomar mais. Estou vendo novos estudos. A minha imunização está lá em cima. Para que vou tomar a vacina? Seria a mesma coisa jogar na loteria R$ 10 para ganhar R$ 2. Não tem cabimento isso daí”, ratificou Bolsonaro.


Embora tenha sido taxativo no que se refere à sua não imunização, o mandatário afirmou que não é um opositor das vacinas, ressaltando os projetos que seu governo adotou no combate à pandemia. “Não sou contra a vacina, tanto que só em dezembro do ano passado assinei uma medida provisória de R$ 20 bilhões para comprar a vacina e hoje em dia praticamente todo mundo já tomou pelo menos a primeira dose. 


Por fim, ainda no que concerne às medidas estabelecidas em torno da vacinação, Jair Bolsonaro criticou as exigências dos comprovantes de imunização, além do chamado "passaporte da vacina", que determina a apresentação da carteira de vacinação para que se possa frequentar alguns lugares. “Essa é uma sanha de comprar vacina. Exigir a vacina, parece que cheira o mercado isso daí. Para mim, liberdade acima de tudo. Se o cidadão não quer tomar a vacina é um direito dele e ponto final”, apontou o presidente.