"Eu e o ministro da Educação não interferimos na prova do ENEM", diz presidente do INEP

17/11/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: g1.globo.com

 

Em depoimento no Senado, Danilo Dupas, presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), negou que ele e o Ministério da Educação, por meio do ministro Milton Ribeiro, tenham interferido na proposição das provas do ENEM deste ano. Hoje, no Congresso Nacional, ele dará explicações sobre a exoneração de 30 servidores públicos do órgão que dirige. 

 

A declaração de Danilo Dupas foi motivada pelos comentários feitos pelo presidente Jair Bolsonaro, o qual apontou que as provas do ENEM possuem agora a “cara do governo”. Em entrevista ao Fantástico, da rede Globo, os servidores demitidos pelo instituto ressaltaram que Anderson Oliveira, diretor de Avaliação de Educação Básica do Inep, teria orientado sobre a retirada de mais de 20 questões da primeira versão do exame deste ano. 

 

No que concerne a essas trocas nas questões da prova, o presidente do INEP relatou que trata-se de um procedimento comum durante o processo de construção do exame. "As provas foram montadas pela equipe técnica, seguindo a metodologia que vem sendo adotada, a Teoria de Resposta ao Item. A prova possui um conjunto de questões de diversos níveis de dificuldade que são calibradas para garantir um certo nível de prova", explicou. 

 

Em oposição ao posicionamento de Dupas, o ministro Milton Ribeiro, ainda em abril de 2021, afirmou que a política do Ministério da Educação e, consequentemente, as provas do ENEM, deveriam estar em conformidade com a ideologia adotada pelo governo federal. "As provas devem vir e tem que vir em consonância com a visão educacional, do projeto, do senhor presidente da República", disse Ribeiro.