Segundo pesquisa, mercado passa a ver inflação acima de 10% para 2022 e PIB menor

22/11/2021

Por: Jessyanne Bezerra
Foto: Getty Images

 

Segundo pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira (22) pelo Banco Central, a alta do IPCA (Índice de preços no consumidor) em 2021 chegou aos dois dígitos e gera expectativa do mercado para a contínua alta nos preços dos produtos. E, de acordo com especialistas, o cenário é de ainda mais aperto monetário para 2022.
 
O levantamento semanal apontou que a expectativa para a alta do IPCA em 2021 chegou a 10,12%. Na semana passada a taxa estava em 9,77%. Vale salientar que o índice de preços no consumidor é usado para observar tendências de inflação.
 
A contínua alta dessa taxa é alarmante pois está bem acima do teto da meta que é 3,75% com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.
 
Para 2022, as projeções indicam inflação maior de 4,96%, contra taxa de 4,79% esperada antes, aproximando-se cada vez mais do teto do objetivo. Com a crise hídrica, elétrica e o furo do teto de gastos, esse cenário pode piorar ainda mais.
 
Ao mesmo tempo, o levantamento junto à economistas mostrou ainda perspectiva de maior aperto monetário em 2022, com a taxa básica de juros Selic calculada agora em 11,25%, de 11% na semana anterior. Para 2021, a expectativa é a Selic fechando o ano a 9,25%, de acordo com última reunião do Comitê de Política Monetária, que acontecerá em dezembro.
 
Por sua vez, o cenário para o PIB (Produto Interno Bruto) continuou a piorar. Agora as estimativas de crescimento do PIB são de 4,8% em 2021 e 0,7% em 2022, contra 4,88% e 0,93% antes, respectivamente.