“Ao prendê-lo, poupei o Lula de uma derrota em 2018”, afirma Sérgio Moro

24/11/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: poder360.com.br

 

Em entrevista ao canal CNN Brasil, o ex-juiz Sérgio Moro falou sobre as eleições de 2022 e aproveitou para tecer comentários sobre o ex-presidente Lula, a quem condenou no processo da Lava-Jato. De acordo com o ex-ministro da Justiça, não há animosidade entre ele e o ex-presidente e que, ao mandar prendê-lo, o poupou de uma derrota certa nas urnas em 2018.

 

Segundo Sérgio Moro, o suposto motivo para o fracasso do Lula em 2018 seria a lembrança da sociedade sobre a corrupção e a má gestão do período em que o PT esteve no comando da nação. “O ex-presidente insistiu na sua candidatura em 2018 quando estava inelegível. E, no fundo, ele foi poupado de uma derrota, porque havia na memória das pessoas muito claro não só esses modelos de corrupção do Partido dos Trabalhadores, mas a grande recessão de 2014 a 2016, as pessoas se esquecem. E as sementes dessa recessão foram plantadas durante o governo Lula”, declarou o postulante à presidência. 

 

Durante a sabatina dos jornalistas, Moro, que se filiou ao Podemos para disputar a corrida ao Palácio do Planalto, reiterou que seu procedimento no julgamento do ex-presidente Lula foi justo e que a sentença não foi fruto de perseguição política. Sobre o fato de sua decisão ter sido considerada parcial pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ele ressalta de forma sucinta: “Erro judiciário”. “O tempo vai dizer”. 

 

Conforme os números apresentados nas últimas pesquisas, Sérgio Moro aparece como protagonista da chamada “terceira via”, à frente de Ciro Gomes, que ocupava esse posto. Segundo informações de bastidores, a estratégia da equipe do ex-juiz é se dissociar da figura de Jair Bolsonaro, a quem serviu como ministro de estado, e angariar votos dos seus dissidentes.