"Dá licença política e moral para os garimpeiros", afirma porta-voz do Greenpeace sobre Bolsonaro

26/11/2021

Por: Luan Figueredo
Foto: Reprodução

 

Imagens feitas em operação especial do Greenpeace mostram centenas de balsas e dragas utilizadas para extração de ouro atracadas no Rio Madeira, distante 113 quilômetros da capital Manaus.

De acordo com os ativistas, os equipamentos usados pelos garimpeiros servem para cavar o fundo do rio, separando a areia e água, o que causa impacto direto na fauna e flora, essencial para as comunidades da região.

Danicley Aguiar, porta-voz do Greenpeace na ação, atribuiu a exploração ilegal à conivência do presidente. “O que vimos no sobrevoo é o desenrolar de um crime ocorrendo à luz do dia, sem o menor constrangimento. Isso tudo, óbvio, é referendado pelo presidente Bolsonaro, que dá licença política e moral para que os garimpeiros ajam dessa maneira”

Aguiar também afirma que o "Rio Madeira é o rio com a maior biodiversidade do mundo". O mercúrio usado pelos garimpeiros, quando desce para o fundo do rio, transforma-se numa forma química ainda mais tóxica, o metil mercúrio.

"Quando esse povo tradicional come o peixe contaminado, ele vai ser absorvido no nosso trato gastro intestinal e vai entrar na corrente sanguínea, sendo absorvido pelo corpo", afirma o médico e pesquisador Paulo Cesar Basta.