João Dória sobre Lula e Bolsonaro: “populistas extremistas que não gostam do diálogo”

29/11/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: gazetadopovo.com.br

 

Vencedor das prévias do PSDB para concorrer à presidência da República, o governador de São Paulo João Dória fez uma avaliação sobre a sua campanha para o pleito de 2022, sobretudo no que se refere às possibilidades de alianças. Nesta segunda-feira, em entrevista ao Valor Econômico, o político paulista negou qualquer abertura de diálogo com Lula, mesmo em um eventual segundo turno.


Como justificativa a esse comentário, Dória declarou que não há perspectivas de constituir conversas proveitosas com políticos com a postura de Lula e Bolsonaro. “O diálogo será sempre feito com quem merece o diálogo, com quem gosta, respeita e aprecia o diálogo. Populistas extremistas não gostam do diálogo. Gostam de impor suas posições, de determinar, de mandar, o que torna mais difícil o diálogo”, explicou. 


No que se refere a uma aproximação com nomes que compõem a chamada “terceira via”, Dória se mostrou aberto a conversas com Ciro Gomes e Sérgio Moro, a quem se referiu como amigo. "Tenho respeito e amizade com o Sergio Moro. Entendo que ele deva fazer parte desse bom diálogo, nesse sentido democrático-liberal-social”, disse. Na sequência, acrescentou: “Não há razão para não ter um diálogo com Ciro”, apontando que poderia procurar o apoio do pedetista. 

 

Em relação a um suposto enfraquecimento tucano nesse processo de escolha interna de um representante, João Dória, que aparece com apenas 2% dos votos na última pesquisa e distante do segundo turno, vai na contramão, afirmando que a legenda está mais forte que antes. “O PSDB sai fortalecido. É o único partido que fez prévias no Brasil, portanto, houve uma mobilização nacional. Agregação, soma, união: estas são as palavras de ordem a partir de agora”, ressaltou o mandatário paulista.