Caso juíza Mônica de Oliveira: vídeos reforçam tese de suicídio, diz sobrinha a jornal

18/05/2022


Foto: Ivan Duarte / O Liberal

 

Em entrevista ao jornal O Liberal, de Belém, familiares da juíza Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira apontam que a magistrada pode, realmente, ter cometido suicídio. Uma das pessoas que reforça essa tese é Monique Andrade, uma sobrinha da juíza. A declaração foi feita momentos antes de o corpo da tia embarcar para a Paraíba, onde será sepultado. A moça preferiu não fazer mais comentários.

 

"Chegamos a Belém para resolver o que tinha para resolver. Fomos à delegacia e acompanhamos o inquérito. Nos apresentaram todas as imagens das câmeras, são muitas câmeras, e deixa muito claro que foi suicídio. Não há dúvidas. Quaisquer pronunciamentos de pessoas que não são da família devem ser descartados. Estamos lidando com vidas e não podemos incriminar ninguém", declarou a sobrinha da juíza.

 

"Não há o que se discutir e agradeço em quem se interessou em ajudar a desvendar o caso. Não há possibilidade de outras coisas. Não esperávamos passar por isso. Minha tia é uma pessoa maravilhosa. Mas é isso, foi suicídio", concluiu.

 

Em entrevista coletiva, a sobrinha afirmou que a juíza fazia tratamento psiquiátrico e tomava remédios para controlar um transtorno mental. Ela não descreveu qual transtorno a juíza enfrentava e ressaltou que, apesar do tratamento, a magistrada levava uma “vida normal”.