Índice de Preços ao Consumidor tem aumento de 9,88% em Natal nos últimos 12 meses

05/08/2022


Foto: Divulgação/Idema

 

O Índice de Preços ao Consumidor – IPC, da cidade do Natal registrou, no mês julho, alta de 0,14% em relação ao mês anterior. Com este resultado, a variação no ano ficou em 5,53%, nos últimos doze meses (agosto/2021 a julho/2022) atingiu 9,88% e 607,16% desde o início do Plano Real.

 

O índice é calculado pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, por meio da Coordenadoria de Estudos Socioeconômicos – CES.

 

O grupo Alimentação e Bebidas, que responde por 32,43% do índice geral em termos de participação no orçamento familiar, apresentou uma variação positiva de 0,60% em relação ao mês anterior. Os itens que mais contribuíram para esse aumento de preços foram: Panificados (7,70%), Leites (6.32%), Aves e Ovos (6,07%), Frutas (4,18%), Farinhas, Féculas e Massas (2,43%) e Cereais, Leguminosas e Oleaginosas (1,57%).

 

Já o grupo Vestuário apresentou uma variação positiva de 0,48%. Os itens que mais contribuíram para esse aumento de preços foram: Calçados e Acessórios (1,43%), Roupa Infantil (1,37%) e Tecidos e Armarinho (1,01%).

 

No caso do grupo Artigo de Residência apresentou neste período uma variação positiva de 0,37% em função dos aumentos de preços nos seguintes itens: Eletrodomésticos e Equipamentos (0,80%), Utensílios e Enfeites (0,18%) e Mobiliário (0,04%).

 

Cesta Básica

O custo da Cesta Básica na cidade do Natal, em julho, teve uma variação positiva de 0,47% em relação ao mês anterior. Nas despesas com os produtos essenciais, o custo com a Alimentação por pessoa foi de R$ 540,79. Para uma família constituída por quatro pessoas, esse valor alcançou R$ 2.163,16. Se a essa quantia fossem adicionados os gastos com Vestuário, Despesas Pessoais, Transportes etc., o dispêndio total seria de R$ 6.670,37.

 

Dos treze produtos que compõem a Cesta Básica, oito tiveram variação positiva:     Leite (23,03%), Óleo (10,07%), Pão (5,63%), Margarina (5,29%), Frutas (2,60%), Açúcar (1,71%), Feijão (1,01%) e Café (0,05%).  As variações negativas ocorreram em cinco produtos restantes: Legumes (-9,07%), Farinha (-5,29%), Tubérculos (- 4,86%), Legumes (-9,07%), Carne de Boi (-3,55%) e Arroz (-2,64%).