Wellington Duarte

25/07/2020
 
Bolsonaro e a ema: quando guaripé esnobou o Napoleão de hospício
 
Descrita em 1758 pelo zoólogo sueco Carolus Linnaeus em seu livro Systema Naturae, o imponente bípede da família Rheidae, estava pacificamente sorvendo as gramíneas do Planalto, quando foi perturbada pelo Napoleão de Hospício, que veio interromper sua vida, e deu-lhe uma bela bicada, afastando o bípede desqualificado e voltando a sua vida tranquila, longe do terror que hoje permeia a vida dos brasileiros, com seus mais de 1.660 mortos, só no Rio Grande do Norte.
 
Dias depois, Napoleão lunático, retornou para perturbar a vida da vistosa Ema, também chamada de nandu, nhandu, guaripé e xuri. A descrição da imagem chega a ser perturbadora, com um presidente da república atacando a guaripé, pacífica, com uma caixinha Hidroxicloroquina e a resposta do belo animal foi dar-lhe as costas, ignorando o beócio tresloucado que, pasmem, tem tido a força de permanecer como uma alternativa concreta à presidência da república em 2022 e isso, por si só, é trágico.
 
Bolsonaro, tendo que se recolher à sua mediocridade, depois de ser pressionado para deixar de brincar de ditador, passou a agir como palhaço de opereta, algo que parece atrair a simpatia de, pelo menos 1/3 do eleitorado, mesmo diante da mais completa e absoluta inação desse governo, com relação às ações para combater a pandemia, o que, em outros países, teria colocado esse mandrião atrás das grades. Mas aqui pode tudo ou quase tudo.
 
Vamos aguardar qual vai ser a próxima investida estrambólica do bizarro personagem, sujeito a pataquadas das mais diversas, que diverte sua caterva; alimenta a súcia fascista e envenena a sociedade com ignorância e ódio. 
 
Um país que escalava o panteão das grandes potências, inclusive iniciando um processo de ruptura do eixo de poder mundial, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), buscando colocar o Brasil como membro-permanente, desceu ladeira abaixo e o país é hoje um pária, dito por alguns como o mais distante Estado dos EUA, menos altivo do que Porto Rico. Um país sabujo com um presidente sabujo.