RN busca parceria na agricultura familiar com agência de cooperação francesa

12/08/2019

Por: Redação PN
Foto: Reprodução
Amanhã, dia 13 de agosto, a governadora do Estado Fátima Bezerra, acompanhada do secretário de Desenvolvimento Rural e da Agricultura Familiar, Alexandre Lima, estarão em Brasília para uma reunião com representantes da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).
 
Segundo o secretário, a partir dessa visita à agência de cooperação francesa, o Governo do Estado pretende prospectar uma parceria, no que diz respeito ao financiamento de ações no Rio Grande do Norte para o fortalecimento da agricultura familiar.
 
O grupo da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) financia ações relacionadas ao clima, biodiversidade, educação, planejamento urbano, saúde, governança, entre outros, envolvida em mais de 4000 projetos na França e 115 países. A AFD atua na agricultura sustentável, melhorando as capacidades produtivas da agricultura camponesa e o desenvolvimento de infra-estruturas rurais. Apoia, também, a intensificação agroecológica e o desenvolvimento de paisagens agrícolas sustentáveis, com foco na segurança alimentar.
 
Em 2016, por exemplo, a agência contribuiu com 603 milhões de euros na África Subsaariana, para a governança da segurança alimentar. No Brasil, a AFD atua nas regiões sul, sudeste e nordeste.
 
No Sul, está presente no Rio Grande do Sul (em projetos sustentáveis na área de meio ambiente e clima), Santa Catarina (em projetos de tratamento de águas residuais) e Paraná (em projetos de desenvolvimento urbano e rural sustentável e de mobilidade urbana). Já no Sudeste, atua em São Paulo (na área de trens urbanos), Rio de Janeiro (em parcerias público-privadas e na área de mobilidade urbana) e em Minas Gerais (em projetos climáticos). No Nordeste, até o momento atua apenas na Bahia, na área de energias renováveis.
 
Na área de agricultura, a AFD atua na cidade de Toledo (PR). Lá existem mais de duas mil unidades produtivas de agricultura familiar. Essas famílias desenvolvem uma agricultura intensiva, com a criação de suínos e a cultura de cereais, e em torno dela se desenvolveu uma agroindústria. A cidade, que tem visto um crescimento demográfico expressivo, elencou o meio ambiente e sua proteção como prioridades. Tal vontade política gerou em 2009 um programa de desenvolvimento sustentável nas zonas urbana e rural, o qual a AFD passou a apoiar. A concessão deste empréstimo permite o estabelecimento de um diálogo direto com este município bem estruturado sobre os aspectos pioneiros de sua política ambiental. 
 
Como resultados, o projeto trouxe impacto positivo sobre a economia local, com uma melhor acessibilidade às zonas rurais e uma integração da economia informal para a triagem dos resíduos. Também possibilitou a criação de 14km de ciclovias em área urbana e a proteção do meio ambiente e da biodiversidade em áreas ecologicamente vulneráveis (bacias hidrográficas), com 40 hectares de áreas verdes criadas até o final de 2017. “Faremos um contato inicial para apresentarmos a intenção do Estado em fazer a parceria e buscaremos conhecer as linhas de trabalho dessa agência, qual a política de financiamento e quais as condições”, disse Alexandre Lima.
 
Em março, o Governo do Estado manteve contato semelhante com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), agência ligada às Nações Unidas, que investe na população rural para contribuir com a redução da pobreza e aumentar a segurança alimentar, entre outros objetivos, através de doações e empréstimos a juros baixos.