Editora Penalux lança selo Auroras, para literatura de mulheres de todo o Brasil

16/03/2020

Por: Cefas Carvalho
Foto: Editora Penalux
 
Na semana passada a editora Penalux  oficializou e divulgou a criação do selo Auroras, cujo foco inicial será a publicação de literatura produzida por mulheres em todo o Brasil. Após reunião final entre os editores Tonho França e Wilson Gorj e a escritora e jornalista (e a partir de agora coeditora da Penalux) Dani Costa Russo, anunciaram pelas redes sociais o logotipo do selo, que deve estrear no catálogo em breve. Também em breve serão anunciadas as especificações do selo e as primeiras autoras a serem lançadas.
 
Segundo Dani Costa Russo, capixaba, radicada há mais de dez anos em São Paulo, "meu primeiro contato com a Penalux foi em 2018, quando participei de uma antologia de contos organizada pela escritora Luciana Setúbal. Gostei muito do que entendi naquele momento sobre a editora: o sistema de prospecção de obras, a ótima qualidade dos livros, a agilidade do processo de lançamento, o contrato e a oportunidade de permitir que o autor opine sobre o que está sendo feito. Mas, sobretudo, gostei do carisma do Tonho França e do Wilson Gorj. O mercado de livros tem muitas áreas inacessíveis, com editores que se colocam distantes de possíveis autores e dos leitores. Eu, curiosa sobre publicações, sempre pude falar com eles e indicar escritoras que eu acreditava que deveriam ser publicadas".
 
"Meu principal ativismo em defesa das mulheres é o de que nosso país precisa de mais obras escritas por elas. Estamos em defasagem e sempre foi assim, desde que os primeiros livros foram publicados no mundo. Virginia Woolf, no ensaio “Um Teto Todo Seu”,explica o que condena as mulheres ao vale das nunca publicadas. O que leva mulheres a acreditarem que não são capazes de escrever e, por isso,não podem nem tentar. Que dirá, publicar", assinala Dani.
 
Segundo Tonho, "diante da possibilidade de estreitar cada vez mais parcerias com o público feminino sentirmos que era a hora de um selo só pra elas, não no sentido de separar, mas para ser o "locus" de novas parcerias, com.outras iniciativas, "Leia mulheres " por exemplo", explica.
 
Já Wilson registra que a Penalux "com uma autora com a experiência de redação e já com livro publicado (de forma independente, bom frisar, o que confere a ela um conhecimento mais imersivo do processo editorial) trará a esse novo selo uma eficiência maior. Outra possibilidade de agregar valor à editora, para além de ser um segmento destinado à literatura produzida por mulheres, é o fato de a coeditora nos representar na capital paulista, onde costumamos ter mais lançamentos que em outras localidades. Dani Costa Russo soma mais qualidade e profissionalismo ao nosso trabalho editorial".
 
Dani fala sobre o novo selo: "Auroras era um sonho que estava no meu coração, mas ninguém sabia. Eu nunca tive a pretensão de ter a minha própria editora, mas eu queria me aliar a uma para expor minhas ideias, para trabalhar com o sentimento que possuo e que eu acho que pode ser colocado em prática sem me fazer parecer utópica. Wilson e Tonho, em um lançamento de uma escritora, me surpreenderam com a novidade: teriam um selo para autoras. A Penalux publica muitas mulheres, então, a princípio, não entendi a necessidade. Mas aí veio o convite, queriam ter um selo para que eu o tocasse. Não é só um selo, é o tal sentimento de que falei. É pensar que o cenário está mudando. Ainda é no eixo Rio-São Paulo. Ainda é recebendo mais originais de mulheres jovens, brancas, cis,hetero e não periféricas. Ainda é sem a abrangência que tem que ter. E eu tenho a responsabilidade de olhar para a imensidão desse país e enxergar todas as mulheres. Porque o privilégio de escrever, com segurança, disposição, tempo, conforto e coragem, ainda é para poucas.
 
Sobre o nome do selo, "Auroras surgiu na manhã seguinte ao convite feito pelos editores da Penalux para dar vida ao selo. Acordei depois de mal dormir. Penalux é luz, pura luz, e o selo deveria ser também. Com minha filha, pensamos em aurora, que é a primeira luz do dia, o princípio de tudo. Aurora também é nome de mulher. Tem sonoridade, faz mexer a língua, o maxilar, não se esquece fácil. Wilson e Tonho, assim que expliquei o que pensei, já enviaram a logo. Dias depois, foi modicado para Auroras, no plural, pensando em abranger todas as nossas futuras auroras, nossas escritoras. E então, notamos que trocando a letra “r” pela letra “t”, fica autoras", explica Dani.
 
"Anunciamos chamado para escritoras de todo o país enviarem suas obras para a Auroras. Estou pronta para ler todas. A Penalux me ensinou seu método de trabalho e nossa equipe está formada. Possuo uma rede de mulheres poderosas que sempre irão me auxiliar quando eu tiver questões a serem esclarecidas sobre o feminino. E,acima de tudo, terei diálogo com nossas autoras. Esse não é um trabalho que exclui a escritora de seu próprio livro. Se vou publicar uma obra, terei que compreender todas as suas nuances", finaliza Dani.
 
SERVIÇO DA EDITORA:
 
O selo Auroras, da editora Penalux, recebe os seguintes originais escritos por mulheres de qualquer parte do Brasil: romance, poesia, contos, microconto, crônicas, ensaio acadêmico. Ainda não recebe antologias.
 
O original deve ser enviado para o e-mail auroras@editorapenalux.com.br. A editora pede que se formate dentro das seguintes especificações: arquivo em word (.doc), Times Roman New 12, entrelinhas 1.5,orientação de página 14x21 (Word=>Arquivo=>Configurarpágina=>Papel=>A5).
 
É importante escrever no assunto do email "Original- nome da escritora". Só enviar obras prontas, organizadas, comtítulo. Em até 90 dias, a editora responderá cada escritora.
 
Para conhecer os livros da Penalux: https://www.editorapenalux.com.br/