Empresa transforma lixo orgânico em fertilizante

01/02/2018


Há cerca de oito anos, o Brasil sancionou a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Uma das medidas determinava o fim dos lixões a céu aberto. Mesmo assim, hoje em dia, pouca coisa mudou no que diz respeito à gestão de resíduos.

Em 2016, o país gerou quase 74 milhões de toneladas de lixo urbano. Apesar dos municípios brasileiros terem coletado cerca de 91% desse total, mais da metade foi enviada para aterros e lixões que colocam em risco a saúde da população e do meio ambiente. Esses dados são do Panorama dos Resíduos Sólidos, produzido pala Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais.

Ainda segundo a Associação, o Rio Grande do Norte está entre os 10 estados brasileiros com o maior número de destinações inadequadas de lixo. Por aqui, ainda estão em funcionamento 155 lixões e vazadouros a céu aberto, em que os resíduos não recebem nenhum tipo de tratamento.

Na contramão de números tão negativos, a empresa Eco Ambiental vem investindo em processos que dão ao lixo orgânico destinação adequada. O cearense, Fernando Falcão, biólogo e gestor ambiental da empresa, explica "o material orgânico é transformado em fertilizante por meio da ação de microorganismos presentes na natureza. Oferecemos a eles uma condição favorável para processar essa matéria a transformando em um comporto orgânico de qualidade biológica".

Essa matéria orgânica passa por todo um processo de compostagem e, parte dela vira humus. "Esse material é classificado como um condicionador de solo. Ele atua na parte química do solo fazendo a liberação de nutrientes para as culturas; a parte física contrinuindo para tornar o solo mais poroso e melhorando a capacidade dele de retenção de água e a parte orgânica, já que os organismos vivos adicionam vida ao solo novamente", expõe Fernando.

A Eco Ambiental também investe em processo de reciclagem e reaproveitamente de materias inorgânicos. Quem quiser conhecer o trabalho desenvolvido pela empresa pode ligar no telefone (84) 9.9971-1669 e falar com Júnior Guedes.