O poeta em construção

25/06/2021

Por: LIVIO OLIVEIRA
 
Percorrer a poesia de Pinto Júnior é ter um encontro inevitável com a emoção que passeia entre as ruas solitárias e noturnas e os leitos de amor sensual e sôfrego, nos idílios apaixonados. 
 
Talvez essa seja a condição mais presente no poeta que se constrói e se reconstrói em versos derramados como os cálices de vinho que transbordam: a paixão, a mais plena paixão!
 
Vê-se nas palavras poéticas de Pinto Júnior sempre a estampa do homem que combate e que ama com a paixão presente a toda hora, até o átimo derradeiro do dia, até o último impulso, até a última gota ou a chama de desejo da noite.
 
Em algum instante, o próprio poeta reconhece que "A alma em parte.../É feita de poesia...". 
 
No entanto, quero firmar a minha convicção diante do leitor. E é a de que vejo toda a alma de Pinto Júnior, na sua integralidade e na sua integridade, feita de poesia. Mesmo o homem  empreendedor, o jornalista guerreiro, o homem público dinâmico e decidido, que exibe a sua imagem diariamente a toda a audiência potiguar, faz as pausas necessárias  para a contínua e delicada construção do espírito poético. 
 
Pinto Júnior une sentimento apaixonado e ousadas decisões nessa trajetória que, antes de tudo, é nobre, por serem nobres os propósitos e os instrumentos que reúne para a edificação do(s) seu(s) sonho(s), que agora se encontram nas palavras trazidas à luz e aos nossos olhos de ver e sentir.
 
O próprio poeta nos confirma o que digo, nesses belos versos que escreve: "Sou natural da estrada/Ainda carrego tijolos e pedras./Estou em construção!"