Após acidente fatal, assessoria disse que Marília Mendonça estava viva. Entenda o motivo!

09/11/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: correio24horas.com.br

 

Em nota à imprensa, a assessoria de Marília Mendonça explicou o motivo do desencontro de informações sobre o acidente fatal na última sexta-feira (5), o qual levou a cantora Marília Mendonça (26) à morte. A princípio, a equipe da artista havia divulgado que ela estava bem, informação que foi desmentida momentos depois pelo corpo de bombeiros, que constatou os óbitos de todos os passageiros do avião.


A empresa que presta assessoria à cantora, a Textos + Ideias, ressaltou que buscou fontes confiáveis sobre o estado de saúde de Marília Mendonça e obteve, em um primeiro momento, um sinal positivo acerca da sua sobrevivência ao acidente. “A resposta foi que estaria tudo bem e que todas as pessoas estavam sendo conduzidas ao hospital, para realizar procedimento padrão”, aponta um trecho da nota.


No entanto, conforme salientou a Textos + Ideias, depois de 20 minutos, as mesmas fontes mudaram o teor da informação e repassaram a notícia da morte da artista; mas, inicialmente, apenas para os familiares das vítimas. “Em nenhum momento o equívoco foi intencional, sempre prezamos pela ética profissional e moral”, declarou a empresa.


O documento apresentado pela empresa de assessoria ainda esclarece que o avião, um modelo King Air com capacidade para seis pessoas, era de propriedade da dupla sertaneja Henrique e Juliano até o ano de 2020 e foi vendido à compania PEC Táxi Aéreo Ltda, a qual transportava Marília. Segundo informações oficiais, o bimotor dispunha do Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) válido até 1º de julho de 2022.


Apesar da situação de aparente legalidade, a empresa aérea já tinha sido denunciada por desrespeito à jornada de trabalho dos pilotos. Ademais, em julho, a procuradoria da República em Goiás também havia pedido para que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) se manifestasse em relação aos supostos abusos trabalhistas e utilização de equipamentos irregulares por parte da PEC Táxi Aéreo.