Olavo de Carvalho morreu de covid? Filha já pediu certidão de óbito

27/01/2022


Foto: brasil247.com

 

A morte do escritor e astrólogo Olavo de Carvalho, ocorrida na segunda-feira (24), ainda é motivo de polêmica na mídia e na opinião pública. Apesar da família e o médico particular terem emitido uma nota oficial sobre seu falecimento, o fato de ter sido acometido de covid na última semana de vida tornou-se motivo para especulações sobre a causa do óbito. 

 

Heloisa de Carvalho (52), uma das filhas de Olavo e que mantinha uma relação conturbada com o pai, inclusive no âmbito público, declara que o motivo real da morte do autodeclarado filósofo foi a covid-19. No entanto, conforme suas palavras, essa informação precisaria ser escondida, na medida em que poderia estabelecer um descrédito ao discurso negacionista do escritor.

 

“Eu já pedi a certidão de óbito para saber a causa da morte. Tenho direito à verdade. Essa certidão deve demorar 60 dias para chegar em mãos, mas a dúvida vai ser sanada antes do previsto. Ele tem vários processos, pedidos de indenizações. O advogado vai precisar incluir o atestado de óbito”, ressaltou Heloisa. 

 

"Não fiquei imune à notícia, é meu pai. Mas tive sensação de leveza". 

 

No que concerne ao conflito que tinha com o pai, Heloisa relatou que recebeu a notícia via twitter e, na sequência, não conseguiu mais dormir. Eles romperam em 2017, quando ela passou a combater o ‘olavismo’ e foi a público denunciar os maus tratos que sofrera na infância. "Eu chorei, mas foi pelas mensagens que recebi, de gente dizendo que sabe o que eu passei e acredita no que conto. Ele já chegou a ter três mulheres ao mesmo tempo e me negou o direito de ser alfabetizada quando criança”, contou. 

 

Em relação à postura de Olavo de Carvalho sobre a pandemia do coronavírus, Heloisa deixou clara, a partir de um episódio, a insatisfação que sentia com o negacionismo do pai. "No dia que ele postou que não tinha havido nenhuma morte por covid, que era mentira, eu recebi a notícia do falecimento de uma amiga querida que deixou três filhos. Nesse dia, se eu estivesse perto do Olavo, voaria no pescoço dele. Senti muita raiva. Isso eu não consigo esquecer”, disse.